Publicado 10 de Julho de 2013 - 5h00

Reforma

Pedro Dias

Administrador, Campinas

A reforma política que a presidenta está defendendo, eu acho que é “conversa para boi dormir”. Minha ideia de reforma iria incluir redução de 30% da quantidade de congressistas em Brasília; redução do salário dos congressistas e vinculação ao salário mínimo e redução das mordomias e dos assessores. Sugiro que enviem sugestões para este espaço democrático para que possamos ampliar o debate e unificar pensamentos em torno de uma agenda mais concreta de necessidades.

Protesto

Fábio Arruda

Empresário, Campinas

É controverso, mas é verdade: conseguimos muito do que queremos no Brasil quando nos expressamos de forma exaltada. Não que eu concorde, muito longe disso, mas os protestos que assistimos em nosso País mostram isso. A população estava tomada por uma anestesia que adormeceu os filhos desta Pátria por anos, enquanto o descaso, a corrupção e rios de dinheiro rolavam por aí. Eu sou um homem pacato, contra qualquer tipo de confusão e vandalismo, mas a necessidade de uma atitude inflamada muitas vezes resolve. Por minha paciência, já perdi muitas coisas na vida e notei que em muitos casos correr atrás dos nossos direitos de forma ostensiva é a única maneira de ver resultado.

Censo

Zíngaro Marinho

Advogado, Campinas

Em matéria do Correio Popular de 3/7 — Secretaria prepara censo p/ mapear deficientes — é informado que esse trabalho é para outubro (...) , como se isso fosse forma efetiva de melhorar os problemas diários e imediatos dessas pessoas. Na Prefeitura, seus departamentos são como um conjunto de ilhas, as quais uma não se comunica com a outra. Existe um pedido protocolado na Emdec solicitando a implantação de vagas para idoso, portadores de necessidades especiais e faixa para travessia de pedestres na Rua Antonio Cezarino (...), tal solicitação, após vistoria técnica do local teve projeto aprovado (...), contemplando essas vagas. Roga-se à Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade a implantação desse projeto aprovado, pois essa necessidade não é para outubro é para agora, é para já. Uma observação: em frente ao City Bar na Julio de Mesquita foi refeita toda sinalização, por que será?

Plebiscito 1

Luiz Carlos F. Magalhães

Padre e jornalista, Campinas

Nada acontece ao acaso. É preciso aprender a fazer a leitura dos eventos e acontecimentos do dia a dia. A vida ensina. Ao fatos externos expressam uma realidade interior. As manifestações nas ruas dizem para mim que “o povo quer ser ouvido”. Nossas autoridades não ouvem ninguém nem mesmo nossos “representantes”. Eles enviam relatórios do que estão fazendo como vereadores, deputados, senadores, mas não consultam nem ouvem ninguém. O povo não é consultado de nada, não é ouvido. Há ações naqueles relatórios com as quais não concordo e tomam posições na Câmara sem ouvir seus representados. O que é isso? Manifestações populares para mim são iguais a “queremos ser ouvidos e consultados”! E fazer plebiscito agora é desviar o assunto, tirar o corpo fora!

Plebiscito 2

Armando Mendonça

Advogado, Campinas

Ora, as manifestações populares então de nada valem? Gastar uma fortuna para realizar uma consulta ao povo, se o povo aí está nas ruas com as devidas reivindicações? Que País é este volto a perguntar? Cabe à classe política atender aos anseios populares, em forma de leis duras e urgentes que passam o País a limpo como queremos. Chega de balela, de farsa de utopia. Plebiscito para decidir a “cor que vai se dar ao rabo do pavão” nada mais é do que subestimar a inteligência das pessoas. Nessa altura dos acontecimentos, plebiscito não passa de mais um tremendo estelionato. Chega de ilusões, a proposta está aí nas ruas, o plebiscito jamais teria esse alcance.Tudo que vier da classe política nessa direção não passa de um zumbido profundamente desconfortante em nossos ouvidos. (…) Ou é agora ou então calemos ad aeternum.

Reprovação

Wedson Prado

Aposentado, Valinhos

Lamentavelmente dois fatos chamaram a minha atenção no meio dessa turbulência de manifestos praticados em todos os cantos de nosso País. O primeiro, a inteligência e rapidez como que agiu a nossa presidente após consulta feita ao “sapo barbudo” e aos gurus do PT, saindo rapidamente na frente dos governadores e propondo uma Constituinte como se fosse uma simples pesquisa de opinião de um novo produto de beleza. O segundo, a desculpa dada pelo presidente da Câmara para justificar a carona dada a familiares no avião da FAB, atribuindo este descaso com a população como um equívoco. Lamentável que todas essas manifestações que acordaram o Brasil ainda não foram suficientes para que tanto a comandante maior do País e a maioria dos políticos aprendessem a lição: todos, com algumas exceções, estão pra mim reprovados na ética e na moralidade com as quais devem tratar a coisa pública, e devem ser lembrados para ficarem nas próximas eleições em “recuperação”.

Violência

Jefferlhe Barbosa da Silva

Servidor público, Campinas

Com já foi divulgado pelo Correio várias vezes, os bancos estão com parceria com a Prefeitura, integrando as câmeras de monitoramento deles com o Cimcamp, que já tive o prazer de visitar e ver o funcionamento da central (…) da Prefeitura. Acho ótimo isso para os bancos, e nós, o povo? Que tal fazerem uma parceira com o povo também: nós compramos as câmeras e Prefeitura monitora as nossas ruas, nossos bairros. A sensação de segurança melhoria muito diante da violência crescente que nos assola.

Parque Ecológico

Nelson Malta Neto

Professor, Campinas

Lendo a matéria de Felipe Tonon, entendo que deve ter havido algum engano na informação que os “especialistas em imóveis” passaram a ele, relativa ao valor de mercado do metro quadrado, considerando uma única área com 74.191,25 metros quadrados (equivalente a 7,419 hectares ou 3, 06 alqueires) naquela localização. Será dificílimo provar como uma área deste porte, naquele local, possa valer R$ 6 mil o metro quadrado!

Jatos da FAB

Oswaldo Baptista Pereira Filho

Eng. aposentado, Campinas

Muitos políticos não podem viajar como simples mortais, ou seja, em transportes que não sejam os privativos. Além da vaia e ofensas morais, podem sofrer agressões, principalmente em se tratando de Renan, Maluf, os mensaleiros etc. Sendo assim, fica muito mais barato para o País viajarem em jatos da FAB do que em jatos de certos empresários. Pelo menos em tese.