Publicado 12 de Julho de 2013 - 21h29

Por Mariane Mirandola

Além de deformidade física, obesidade trás vários problemas à saúde

Divulgação

Além de deformidade física, obesidade trás vários problemas à saúde

Olhinhos brilhando focados no alimento, gracinhas distintas e enfim um pedaço de carne. Mais tarde um pedaço de chocolate, um pouquinho de arroz e quem sabe, um pouco de sorvete. Qual o dono que nunca caiu no “truque dos cães” e dividiu sua refeição com o animal de estimação? Esse agrado, porém, a maioria das vezes, pode ser prejudicial ao próprio dono da brincadeira, tornando-o um cachorro obeso.

 

De acordo com o médico veterinário Leonardo Morales, um cão bem alimentado é diferente de um cão acima do peso, característica esta que, pode derivar do próprio cuidador: “Normalmente o ditado que diz que os cães são a cara do dono é verdade. Alguns cães obesos são assim porque os donos lhes oferecem um pouco de tudo o que come” - afirmou

 

Características:

 

Dr. Leonardo explicou que somente um veterinário poderá dar a certeza de que o animal está obeso, porém, há características que podem ser observadas em casa e ajudar no diagnóstico. De acordo com o profissional, a obesidade normalmente é acompanhada por uma deformação física, devido aos depósitos de gordura localizados ou generalizados. Um cão em estado normal tem suas costelas visíveis quando movimenta-se e as mesmas são fáceis de palpar, diferente de um cão obeso.

Ainda segundo Dr. Leonado, há uma diferença entre obesidade e excesso de peso: “O animal obeso é aquele que apresenta um acúmulo excessivo de gordura no corpo e não apenas um excesso de peso, pois este pode ser devido a uma retenção de água ou uma grande massa muscular”. - concluiu.

 

Consequências:

 

Uma média de 30 à 40% dos cães que vão à Clínica Veterinária atualmente sofrem de obesidade, os quais, acabam tendo grandes consequências, como a diminuição da resistência, além de múltiplas complicações como transtornos no aparelho locomotor, dificuldades cardio-pulmonares, patologias nas funções reprodutivas, predisposição a diabetes, predisposição a enfermidades infecciosas e transtornos de pele. O risco cirúrgico à um cão obeso passa a ser bem maior

 

Tratamento:

 

“O principal fator no tratamento é a consciência do dono.” - as palavras foram repetidas várias vezes pelo médico veterinário, que afirmou que é necessário que o dono entenda a importância de cortar os “agrados” ao animal.

Administrar ao cão rações Light é um dos primeiros passos do tratamento, porém, ela deve ser oferecida ao animal conforme manda o fabricante. “Fracionar a ração ao longo do dia para que o cão tenha sempre a sensação de estar saciado é importante, por exemplo: o fabricante manda dar 600g dia, então o dono deve oferecer ao animal 200g por vez ao longo do dia, não ultrapassando a medida de 600g”. - afirmou

O mercado oferece produtos que ajudam o controle e a perda de peso, porém, o estímulo aos exercícios físicos, como caminhadas, ainda são os mais indicados. “Estimular o animal a exercícios constantemente é fundamental, pois, os exercícios ajudam a queimar gordura e dão energia ao animal” - concluiu.

Escrito por:

Mariane Mirandola