Publicado 15 de Julho de 2013 - 9h03

Por Daniela Nucci

Para o inglês Alan Joseph Haywood, Campinas é bem sinaizada

Leandro Ferreira/AAN

Para o inglês Alan Joseph Haywood, Campinas é bem sinaizada

A Prefeitura, por meio da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), instalou em Campinas — de 2010 até abril do ano passado — 234placas bilíngues (português e inglês) de orientação de tráfego. A adoção da língua estrangeira, de acordo com a Administração, tem como objetivo tornar mais rápido e fácil os deslocamentos, além de indicar para o motorista — seja ele turista ou não — onde ficam pontos de interesse como parques, praças, shoppings, museus, entre outros. As placas foram instaladas no Taquaral, Guanabara, Jardim Chapadão, Vila Nova, Castelo, Jardim. Garcia, Jardim do Trevo, Vila Industrial, Bosque, Cambuí, Jardim Proença, Sousas, Joaquim Egídio e na área central.

Os recursos, na ordem de R$ 500 mil, foram disponibilizados pelo Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo (MTur). Seguindo normas internacionais, as placas têm fundo marrom, com informação em português na parte superior e em inglês na inferior. Segundo a Emdec, com o surgimento de novos pontos turísticos na cidade, outras sinalizações deverão ser instaladas.

Apesar da informação em inglês, alguns turistas encontraram dificuldade para se locomover pela cidade. É o caso do engenheiro francês Michael Bortoluzzi, que fez um intercâmbio por cinco meses na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Andei pouco pela cidade porque tinha tudo perto. Fui algumas vezes de ônibus para o Centro para fazer documentos na Policia Federal. Sem a ajuda de amigos brasileiros, acho que seria bem mais difícil me locomover.

Quando você está no ponto de parada não tem indicações, placas ou mapas para saber se está no lugar certo”, critica Bortoluzzi, que já retornou à França. Há quem elogie, como o inglês Alan Joseph Haywood, que mora há 17 anos na cidade. “Acho tudo muito bem sinalizado, principalmente na área central. “Gosto de andar mais a pé e sempre me virei bem para chegar nos lugares”, opina Haywood.

Escrito por:

Daniela Nucci