Publicado 12 de Julho de 2013 - 12h56

Por Agência Estado

O deságio médio do segundo leilão de transmissão de energia de 2013, realizado na manhã desta sexta-feira (12), ficou em 12,76% nas áreas leiloadas. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a Receita Anual Permitida (RAP) oferecida pelas empresas e consórcios vencedores de cinco lotes soma R$ 78 042 milhões, ante uma RAP mínima estabelecida pela Aneel para essas áreas de R$ 89,452 milhões.

Os números não consideram a RAP prevista para os lotes A (R$ 32 95 milhões) e G (R$ 10,648 milhões), que não receberam propostas. O mesmo lote A não havia recebido proposta em leilão realizado no ano passado. Adicionadas essas duas áreas, a RAP mínima estabelecida pela Aneel era de R$ 133 milhões para o leilão de hoje.

Foram ofertados sete lotes nos Estados de Goiás, Acre, Bahia, Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal. Os lotes A e G previam operações nos Estados do Acre e do Maranhão. As duas áreas representavam, juntas, 860 quilômetros de linhas, ou 54,4% da área total de 1.580 quilômetros incluídas no leilão.

Além dos dois lotes que não receberam propostas, chamou atenção também o leilão pelo lote F vencido pelo Consórcio Pantanal, formado por Cel Engenharia Ltda. (51%) e Celg (49%). O consórcio propôs uma Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 4,258 milhões, com deságio de 5% em relação à RAP de R$ 4,48 milhões estabelecida pela Aneel. A Cobra Instalaciones Y Servicios fez proposta idêntica, por isso a decisão do vencedor foi anunciada após um inédito sorteio em leilões de transmissão.

O consórcio Vale do São Bartolomeu, formado pelo Fundo de Investimento em Participações Caixa Milão (51%), pela Celg (10%) e por Furnas (39%), foi o vencedor da disputa do lote B, com proposta de RAP de R$ 27,4 milhões, deságio de 11,63%. O consórcio Big Energia, formado por Fundo de Investimento em Participações Caixa Milão (60%), Bimetal Energia S.A. (35%) e Geoenergia Soluções de Sistemas de Energia Ltda. (5%), venceu o lote C, com RAP sugerida de R$ 31,596 milhões, deságio de 13 46%.

O consórcio MGF-Energy, formado pela MFG Engenharia e Incorporações Ltda. (95%) e pela Geoenergy Energia e Serviços Ltda.(5%), venceu os lotes D e E, com RAP de R$ 9,858 milhões e R$ 4,929 milhões e deságios de 17,35% e 10,70%, respectivamente.

Escrito por:

Agência Estado