Publicado 10 de Julho de 2013 - 20h54

Por France Press

A Polícia da província canadense de Québec informou nesta quarta-feira (10) que o registro de mortes após o acidente com um trem carregado de petróleo, que pegou fogo na localidade de Lac-Megantic, subiu para 20, enquanto ainda há 30 desaparecidos, provavelmente mortos.

"Nós nos reunimos com as famílias destas 50 pessoas que provavelmente morreram", anunciou o porta-voz de segurança de Québec (SQ por suas siglas em francês, Polícia provincial), o inspetor Michel Forget.

Na manhã desta quarta, a SQ havia confirmado 15 mortes e o número de desaparecidos era de 45.

O governo da província de Québec decretou luto de uma semana e desbloqueou 60 milhões de dólares canadenses (57 milhões de dólares) para a comunidade atingida.

"Posso dizer-lhes que, além de nossa profunda tristeza, temos um sentimento de raiva legítimo", havia declarado à imprensa mais cedo o primeiro-ministro da província, Paul Marois.

"Em seu devido tempo, a empresa e as autoridades competentes deverão ser responsabilizadas", acrescentou, referindo-se à empresa ferroviária americana The Montreal, Maine & Atlantic Railway (MMA) e ao governo federal, responsável por fazer cumprir as normas de transporte ferroviário no Canadá.

Um trem da MMA, que transportava petróleo, descarrilou na madrugada de sábado nesta pequena localidade situada 250 km a leste de Montreal, provocando uma gigantesca explosão que atingiu cerca de 30 construções.

"Isto nunca deveria ter acontecido", insistiu Marois. "As perguntas são muitas e queremos todas as respostas", acrescentou.

O presidente da companhia, Edward Burkhardt, deve viajar para Lac-Mégantic nesta quarta.

A MMA acusou na terça-feira os bombeiros de Nantes, um povoado vizinho, de terem contribuído para a catástrofe ao desativar por engano os freios quando apagavam um pequeno foco de incêndio em uma das cinco locomotivas do trem com 72 vagões-tanque.

Os bombeiros de Nantes "utilizaram um extintor de mão paga apagá-lo (o incêndio) e, para isso, pararam os motores da primeira locomotiva, desativando os freios de ar desta, o que desencadeou os demais acontecimentos", declarou Burkhardt em uma entrevista ao jornal La Presse.

Já o chefe dos bombeiros do município de Nantes, Patrick Lamberg, rejeitou as acusações.

"Quando chegamos, a locomotiva funcionava. Nós a paramos por segurança, é o protocolo de intervenção, é preciso parar o motor", afirmou ele, antes de lembrar que sua equipe foi chamada para intervir quatro vezes em oito anos para resolver problemas ligados à empresa proprietária do trem.

O trem sem condutor se precipitou pelos trilhos que ligavam Nantes à localidade de Lac-Mégantic, descarrilando e provocando uma explosão nesta pequena cidade turística ao norte da fronteira com os Estados Unidos.

Por sua vez, a polícia de Québec indicou que trabalha com a hipótese de uma "negligência criminosa".

A bandeira de flor de lis azul e branca de Québec será hasteada a meio mastro em todos os edifícios públicos da província durante toda semana.

Escrito por:

France Press