Publicado 15 de Julho de 2013 - 8h11

Por France Press

O líder espiritual do maior partido islamita de Bangladesh foi declarado culpado nesta segunda-feira de crimes de guerra durante a luta pela independência do país contra o Paquistão em 1971. Ghulam Azam, de 90 anos, e na época líder do partido Jamaat-e-Islami, foi acusado pelo Tribunal Internacional de Crimes (TIC) de Bangladesh de ter apoiado o exército paquistanês para criar as milícias suspeitas pelas mortes de três milhões de pessoas.

"Azam foi condenado a 90 anos de prisão, ou seja, até sua morte", afirmou à AFP o promotor Sultan Mahmud.

Ele foi condenado, entre outros crimes, por assassinato e tortura.

A acusação comparou Azam a Adolf Hitler pelo papel de "guia" nos massacres durante a violenta guerra de independência, que terminou com a criação do Estado de Bangladesh, até então uma província do Paquistão.

Azam foi apresentado como o "cérebro" do assassinato de intelectuais. Muitos deles foram encontrados poucos dias depois do fim da guerra em um pântano nas proximidades de Dacca, com os olhos vendados e as mãos amarradas.

O advogado de Azam, Tajul Islam, alega que as acusações contra seu cliente se basearam em informações da imprensa que citam discursos pronunciados durante a guerra.

"A acusação falhou completamente em apresentar a mínima prova que fundamente as acusações", disse.

O polêmico Tribunal Internacional de Crimes foi criado em março de 2010 pelo governo, que considera os julgamentos necessários para cicatrizar as feridas da guerra de independência.

Escrito por:

France Press