Publicado 12 de Julho de 2013 - 13h41

Por France Press

A adolescente paquistanesa Malala Yousafzai prometeu nesta quinta-feira que não será silenciada por terroristas, em um poderoso discurso às Nações Unidas durante sua primeira aparição pública desde que foi baleada pelo grupo Talibã.

"Eles pensaram que a bala iria me silenciar, mas fracassaram", disse Malala no dia de seu aniversário de 16 anos, em uma apresentação na qual pediu que livros e canetas sejam usados como armas.

"Os terroristas pensaram que eles mudariam meus objetivos e interromperiam minhas ambições, mas nada mudou na minha vida, à exceção disto: a fraqueza, o medo e a ausência de esperança morreram. A força, o poder e a coragem nasceram", completou.

Seu discurso de 20 minutos recebeu muitos aplausos de pé e foi elogiado imediatamente por sua mensagem de paz.

Malala, que vestia um véu rosa e um xale que pertenceram à líder paquistanesa assassinada Benazir Bhutto, insistiu que não busca uma vingança pessoal contra o extremista talibã que atirou contra ela em um ônibus no Vale do Swat paquistanês no dia 12 de outubro de 2012.

"Eu quero educação para os filhos e filhas dos talibãs e de todos os terroristas e extremistas. Eu não odeio nem mesmo o talibã que atirou em mim. Mesmo que houvesse uma arma na minha mão e ele ficasse na minha frente, eu não atiraria nele".

Mas Malala ressaltou que "os extremistas tinham e têm medo de livros e canetas, o poder da educação. O poder da educação os silenciou. Eles têm medo das mulheres".

"Deixem-nos pegar nossos livros e canetas. Eles são nossa arma mais poderosa. Uma criança, um professor, uma caneta e um livro podem mudar o mundo. Educação é a única solução", disse.

A jovem defensora da educação para meninas foi atingida na cabeça por um tiro disparado por um extremista talibã no momento em que seguia para a escola em um ônibus, perto de sua casa no Vale do Swat.

Ela recebeu tratamento médico na Grã-Bretanha, onde mora atualmente, mas o ataque atraiu as atenções para a campanha de Malala em favor de mais oportunidades de estudo para as mulheres.

A revista Time a nomeou, em abril passado, como uma das pessoas mais influentes de 2013. Além disso, ela já assinou um contrato de três milhões de dólares por sua biografia.

Malala agora é considerada uma forte candidata ao prêmio Nobel da Paz. O Talibã deixou claro, no entanto, que ela continua sendo um alvo.

Gordon Brown, ex-primeiro-ministro britânico e enviado especial da ONU para a educação, elogiou Malala como "a garota mais corajosa do mundo", ao apresentá-la ao plenário.

Brown disse que é um "milagre" que Malala tenha se recuperado para estar presente no encontro.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e outros líderes mundiais também elogiaram suas ações e conquistas.

O discurso, no qual Malala invocou o legado de Martin Luther King, Nelson Mandela e de outros eminentes defensores da paz, logo despertou elogios.

Malala também agradeceu aos médicos e enfermeiros britânicos pelos cuidados prestados e ao governo dos Emirados Árabes Unidos por ter custeado seu tratamento.

"Não posso acreditar em quanto amor as pessoas demonstraram por mim. Recebi milhares cartões e presentes de todo o mundo. Obrigada por todos eles. Obrigada às crianças cujas palavras inocentes me encorajaram", declarou.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou em sua conta no Twitter que Malala transmitiu uma "mensagem poderosa".

As Nações Unidas estimam que 57 milhões de crianças em idade escolar primária não têm acesso à educação - metade delas em países em conflito, como a Síria.

"Estudantes e professores de todo o mundo são intimidados e perseguidos, feridos, estuprados e até mortos. Escolas são queimadas, bombardeadas e destruídas", afirmou Diya Nijhowne, diretor da Coalizão Global para a Proteção da Educação.

Escrito por:

France Press