Publicado 16 de Julho de 2013 - 10h26

Por Correio

Edson Moura Júnior (PMDB) tomou posse como prefeito de Paulínia no dia 16 de julho

Cedoc/08set2012/RAC

Edson Moura Júnior (PMDB) tomou posse como prefeito de Paulínia no dia 16 de julho

Moara Semeghini

Bruna Mozer

Edson Moura Júnior (PMDB) tomou posse como prefeito de Paulínia na Câmara Municipal no início da tarde desta terça-feira (16). Moura Júnior assume o cargo ocupado até então por José Pavan Júnior (PSB). A decisão da substituição foi da ministra Carmen Lúcia, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), depois da batalha judicial travada desde às eleições.

Moura Júnior foi o candidato mais votado nas últimas eleições, mas sua candidatura foi contestada pelo Ministério Público. Um dia antes do pleito de 2012, Júnior substituiu o pai e candidato oficial, Edson Moura, que desistiu porque sua candidatura corria o risco de ser barrada na Lei da Ficha Limpa. Moura Júnior venceu mas teve o registro cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral – que deu o mandato a Pavan – porque ele entrou na disputa na véspera do pleito, em 4 de outubro, no lugar do pai.

Posse

O novo prefeito foi diplomado como prefeito de Paulínia na manhã de hoje (16), no cartório de Paulínia. Ao lado do pai, o ex-prefeito da cidade Edson Moura, Moura Júnior seguiu em passeata acompanhado por pelo menos 200 pessoas até a cerimônia na Câmara Municipal, onde já tomou posse como prefeito. De lá, Moura Júnior, seu pai e eleitores seguiram para a prefeitura da cidade. 

Promessa

Emocionado, o ex-prefeito Edson Moura afirmou que fez uma promessa de não cortar os cabelos e nem a barba até que seu filho assumisse o cargo. Ele prometeu que fará o corte esta tarde, no palco montado em frente à prefeitura de Paulínia, assim que Moura Júnior assumir o cargo de prefeito.

Além do palco montado do lado de fora do Theatro Municipal - localizado em frente à prefeitura de Paulínia - comidas e bebidas são servidas para a população que acompanha a posse. 

Cerimônia de posse de Edson Moura Júnior, em frente ao Theatro Municipal e à prefeituraEdson Moura Júnior disse ao Correio que a prioridade de seu governo será a área da saúde. Edson Moura disse que ajudará o filho no que precisar durante sua gestão. Questionado pela reportagem se assumiria algum cargo no novo governo, o ex-prefeito disse: 'não nasci para ser empregado'.  

A defesa de José Pavan Júnior sustentava que houve manobra de má-fé, porque o eleitorado teria se confundido e os votos de Moura pai foram para Moura filho.

Despedida

O atual prefeito, José Pavan Júnior, divulgou uma nota de despedida. Confira na íntegra: 

A melhor forma de agradecer o cidadão paulinense é mostrar que honro e cumpro meu dever como administrador público. Criamos o segundo maior programa de distribuição de renda do país, o PAS, que atende hoje 6.200 famílias. Depois de 16 anos sem uma casa popular construída na cidade, o nosso governo entregou 1.479 habitações para a população.

Antes mesmo das mobilizações, o custo da passagem de ônibus foi reduzido para 1 real, sendo um dos menores do Brasil. Pagamos dívidas, ajustamos a máquina pública. Zeramos a lista de espera de crianças por creche com a implantação do PROEBE. Construímos 2 escolas de Ensino Fundamental e 2 creches. Reformamos 7 Emeis, 1 Escola de Ensino Fundamental e 2 Escolas Técnicas. Está em construção 2 novas escolas de Ensino Fundamental e mais 3 creches.

Possibilitamos o acesso ao Ensino Superior por meio de bolsas de estudo. Melhoramos o atendimento em todos os setores, inclusive na Saúde, oferecendo melhores condições de trabalho, entre outras tantas realizações.

Já a melhor forma de agradecer a todos aqueles que contribuíram e se dedicaram à administração, durante esses quatro anos e sete meses, é compartilhar o mérito com cada um de vocês. Ao longo desse tempo, pudemos, juntos, mostrar que é possível fazer e aplicar políticas públicas de qualidade – voltadas para as reais necessidades da população. Esse é o maior trunfo do nosso governo.

Por fim, eu acato a decisão da justiça, mas por respeito aos cidadãos paulinenses e a todos os brasileiros que enchem as ruas clamando por um país melhor, sinto-me obrigado a trazer à tona alguns questionamentos.

O Brasil atravessa um momento em que se fala em Reforma Política e Paulínia encontra-se em uma situação em que sequer a Lei da Ficha Limpa é cumprida. Também está claro que a oposição trabalhou em cima das brechas da lei para trocar de candidato horas antes da eleição – sem a possibilidade de sequer trocar a foto na urna eletrônica, levando a população a votar cegamente e aceitar um candidato que não fez campanha eleitoral. Sou um homem público, que preza o respeito pelo eleitor, e ele, o eleitor, foi a pessoa mais desrespeitada.

Dois ministros do TSE declararam, enquanto votavam, que estavam errados e essa seria a última vez que votariam dessa forma, pois a lei precisava ser modificada. Eu saio da administração com a consciência tranquila e a sensação de dever cumprido, com a certeza de ter lutado até o fim para que o processo eleitoral se desse de forma transparente, sem brechas e sem manipulações.

A todos os que acreditam ser possível fazer política com as mãos limpas, muito obrigado. Eu tenho certeza que vocês estão do nosso lado. E eu estarei sempre ao lado de vocês.

José Pavan Júnior

 

Escrito por:

Correio