Publicado 15 de Julho de 2013 - 10h29

Por Vilma Gasques

A engenheira Paula estava disposta a experimentar várias iguarias

Dominique Torquato/AAN

A engenheira Paula estava disposta a experimentar várias iguarias

A gastronomia foi um dos pontos altos na comemoração dos 239 anos de Campinas ontem. O Chefs na Praça, que uniu gastronomia, cultura e pessoas foi realizado na Praça Carlos Gomes, no Centro da cidade, deu início ao 5º Festival Gastronômico de Campinas.

Chefs na Praça

As delícias da alta gastronomia de 16 restaurantes foram servidas a céu aberto para mais de 5 mil pessoas, segundo estimativas do secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Samuel Rosilho. Os pratos, inspirados nos sabores do mundo e a preços acessíveis para toda a população, variando entre R$ 5,00 a R$ 15,00, começaram a ser servidos às 11h. “Esse é um evento muito bem pensado para as pessoas terem oportunidade de conhecer cada restaurante participante. E pelo jeito a população gostou muito”, garante o prefeito Jonas Donizette (PSB).

Chefs na Praça

Para Rosilho, o sucesso foi total. “Para um primeiro evento do gênero, foi muito prestigiado e precisa permanecer no calendário da cidade, pois houve uma integração da cidade com as famílias. A Praça Carlos Gomes tem essa referência, de ser gostosa e de abrigar as famílias”, diz.

Medidas

O secretário acha que o festival teve início com uma popularização e, para os próximos eventos, outros restaurante vão querer participar e divulgar a boa culinária. “Como foi o primeiro evento do gênero, alguns problemas, como longas filas para a compra dos tíquetes, foram registrados. E vamos ter que corrigir isso nas próximas edições”, adianta.

Chefs na Praça

Ele diz que ontem a venda dos tíquetes foi centralizada, já que parte da renda — 10% — será doada para a Fundação Eufraten, que atua em programas socioeducativos destinados a crianças e adolescentes. Dessa forma seria mais fácil de fazer a contabilidade, porém, o tempo de espera na fila se transformou em um problema. “Foi um evento aprovado pela população.

Chefs na Praça

E como houve uma procura muito grande, a tendência é ampliar o espaço e ocupar a praça de uma forma mais ampla”, diz, citando que outras providências serão adotadas, como por exemplo, o fechamento das ruas laterais da Praça Carlos Gomes.

Chefs na Praça

O evento de ontem deu início ao Festival Gastronômico de Campinas, que vai até o dia 11 de agosto em 25 restaurantes da cidade. Ontem, 16 restaurantes participaram da ação na Praça Carlos Gomes. Os chefs prepararam pratos da alta gastronomia até às 16h. O evento foi organizado pela Prefeitura de Campinas e pelo Campinas e Região Convention & Visitors Bureau (CRC&VB).

Chefs na Praça

A proposta do Chefs na Praça nasceu de uma conversa entre cozinheiros, formadores de opinião e gourmets em uma rede social, no ano passado. Serviram de inspiração aos idealizadores campineiros, festivais paulistanos descolados, onde o público come com as mãos, em pé. Na Praça Carlos Gomes foram colocadas meses e cadeiras para os participantes, porém, a maioria comeu em pé.

Chefs na Praça 

Funcionamento

A Praça Carlos Gomes foi tomada por 16 tendas, devidamente identificadas pelo nome do restaurante, preparando delícias como paella caipira, costelinha ao molho barbecue, massas diversas, risotos, cordeiro defumado com cuscuz e hambúrguer de cabidela.

Chefs na Praça

As porções foram servidas em embalagens adequadas à proposta de comida de rua, e em quantidade menor do que se vê nos pratos dos restaurantes.

Chefs na Praça

No Coreto da Praça, grupos musicais fizeram apresentações para o público.

A proprietária do Laura e Francesco, Laura Bonaiuti estava animada com o festival. Ela preparou um Fusilli alla Putanesca. “Me preparei para 300 pratos. Não sei se será suficiente porque essa iniciativa é muito boa”, diz.

Chefs na Praça

O chef do Bellini, Rodrigo Varela, presenteou os participantes do festival com um risoto, feito com carne-seca, banana-da-terra, abóbora e queijo meia-cura. De sobremesa, um pudim de tapioca. “Estamos preparados para servir 400 pratos e acho que, por ser a primeira vez, o evento está maravilhoso. As pessoas precisam conhecer e se surpreender com esses pratos”, destaca.

Chefs na Praça

Sem parar de atender os clientes, Jaime Marcelino Pissolato, proprietário do Bar do Marcelino, levou um petisco picante para a Praça Carlos Gomes: pimenta recheada com carne moída e empanada com farinha de Doritos. “Eu fiz 1,2 mil pimentas dedo-de-moça para o festival. Foram oito cartelas de ovos e três dias de preparação”, conta, olhando a “cola” que fez para não esquecer dos detalhes da receita e a quantidade de ingredientes usados. “A festa está excelente e bonita. 

Chefs na Praça

Tem todo tipo de público e pratos variados. Isso dá uma mistura muito boa”, diz.

Na tenda gastronômica, os chefs Luciano Antonello, do Buffet Antonello, e André Otero, do IGA Campinas, se revezaram em oficinas gratuitas sobre culinárias italianas, francesa e árabe. “A repercussão foi ótima e esse primeiro evento serve para aprendermos e fazermos melhor no ano que vem”, destaca o chef Antonello.

Chefs na Praça

Restaurantes que participaram do Chefs na Praça

Outback Steakhouse, Bar do Marcelino, Cayena Bistrô, Estação Marupiara, Joe & Leo's, Emporium do Bacalhau, Prime Italian, Ristorante Laura e Francisco, Royal Palm - Matisse, Vila Paraíso, Fildi Hotel (Vô Nino), Bonelli Pizzaria, Tonico’s Boteco, Royal Palm - La Palette, Bellini (Vitória Hotel) e Quiota.  

Escrito por:

Vilma Gasques