Publicado 08 de Abril de 2013 - 10h28

Por Fábio Toledo

IG - FABIO TOLEDO

CEDOC

IG - FABIO TOLEDO

“Estou cansado! Eu me mato de trabalhar e o meu colega, que não faz nada, ganha o mesmo salário!”. Certa vez ouvi essa frase de um rapaz durante um almoço de trabalho. Penso que muitos de nós já nos deparamos com situação semelhante no ambiente profissional. De fato, as pessoas são essencialmente diferentes entre si, o que também terá consequências no seu rendimento. Sendo assim, como será possível evitar o conflito?

Do ponto de vista do líder, ao mesmo tempo que persegue resultados, deve agir com justiça em relação aos seus subordinados. Assim, sobrecarregar cada vez mais o que apresenta bons rendimentos e manter uma atitude complacente para com o preguiçoso e desleixado é uma injustiça. No entanto, a justiça exige, também, tratar os desiguais de maneira desigual. Assim, o bom gestor saberá constatar essas diferenças e, a partir delas, encontrar o caminho certo para que cada um, devidamente motivado, saiba dar o melhor de si.

Mas não é esse o enfoque principal que gostaria de dar à questão. Mais que analisar a atitude do que exerce a liderança, penso que a solução desses conflitos depende de uma análise pessoal sobre a postura assumida perante os colegas e o próprio trabalho.

Trabalhar bem e atingir resultados dependem de um esforço pessoal, mas também influem os nosso talentos inatos. E ambos — esforço e talentos — não devem ser utilizados apenas para atender aos interesses pessoais. Devemos orientá-los para o bem dos demais: colegas e, muito especialmente das pessoas que necessitam do nosso serviço.

Nesse sentido, pensar que os baixos rendimentos dos colegas — reais ou forjados pela nossa imaginação — justificam que também tenhamos uma atitude desleixada é um terrível contrassenso.

É um grande privilégio poder trabalhar bem. E o maior beneficiado com isso somos nós próprios. O trabalho realizado com retidão de intenção, com o propósito de servir e com o desejo de transformar para melhor o mundo que nos cerca é fonte de imensa alegria.

Não estamos a sustentar, evidentemente, que se deva estender a jornada de trabalho, roubando tempo à família ou ao lazer, e nem que as atividades sejam feitas num nível de estresse prejudicial à saúde. No entanto, nas mesmas horas diárias que dedicadas à atividade profissional, podemos encontrar formas de fazer render mais: talvez cinco minutos a menos no cafezinho, menos distração na Internet etc. Por outro lado, também é possível se esforçar para estar mais atento e prestativo às pessoas que nos procuram.

Certa vez conheci um grande homem — bom trabalhador e zeloso pai de família — que tinha um lema bem interessante: “ninguém vem ter comigo por acaso”. E explicava ele que se determinada pessoa o procura no ambiente de trabalho, esforça-se para resolver o problema, se estiver ao seu alcance. E, se a questão não for de sua atribuição, ao menos procura informar adequadamente onde e como se poderá buscar a solução.

Se nos esforçássemos para assumir uma postura semelhante no nosso trabalho, a inércia ou ineficiência do colega não nos incomodaria muito. Os que perdem o tempo com ninharias se deparam, ao final do dia, com um imenso amontoado de coisas não feitas, por preguiça, desordem ou comodismo, na verdade são uns infelizes, verdadeiramente dignos de pena.

Mas há ainda um ponto de fundamental importância: a mulher e o homem possuem uma imensa dignidade pelo que são e não pela capacidade de produzir. Não fosse assim as crianças, os doentes e os idosos seriam pessoas menos dignas, o que é um absurdo.

Cada ser humano vale infinitamente pelo que é e não pelo que faz. Porém, a quem foi dado o imenso dom de trabalhar e não o utiliza ou o desperdiça egoisticamente será fadado ao insucesso e à frustração.

Por outro lado, aquelas e aqueles que trabalham com esforço e dedicação, espera-lhes ao final de cada dia a imensa satisfação de ter feito exatamente aquilo que dela ou dele se espera para ser feliz: servir, por amor.

Escrito por:

Fábio Toledo