Publicado 05 de Abril de 2013 - 5h02

Funcionários de cemitério fazem escavação no terreno

Cedoc/RAC

Funcionários de cemitério fazem escavação no terreno

Uma caveira com 2 canos de PVC no lugar dos ossos das pernas chocou a família que acompanhava a exumação do corpo, no Cemitério da Saudade de Salto. 

A viúva de José Francisco de Campos, que morreu em 2009, registrou um BO na delega por furto das pernas do cadáver. O caixão não tinha sinais de violação e o esqueleto ainda estava com a roupa do dia do enterro.

O caso aconteceu na última terça-feira (2), quando era feita a transferência da ossada da cova pública para o saco, acompanhada por parentes. Segundo o delegado Moacir Rodrigues de Mendonça, os canos estavam parafusados na bacia do esqueleto. “O laudo do legista diz que houve doação de órgãos, inclusive dos ossos”, explicou ele. “Não houve furto.”

Termo de doação

A família confirmou à polícia que assinou o termo de doação, mas não lembra de liberar os ossos. O delegado vai solicitar o documento ao hospital pra esclarecer tudo. “Mas a viúva diz que vai processar os médicos”, fala Mendonça.

O Hospital Regional de Sorocaba diz que não recebeu solicitação, mas está à disposição pra colaborar com a investigação e afirma que o termo assinado pela família autoriza a doação de órgãos, tecidos e os ossos.