Publicado 09 de Abril de 2013 - 10h06

Por Agência Brasil

Crimes contra turistas na cidade têm repercutido dentro e fora do País

Divulgação

Crimes contra turistas na cidade têm repercutido dentro e fora do País

O número de furtos a turistas nacionais e estrangeiros na capital fluminense aumentou cerca de 66,5% durante os meses de janeiro nos últimos três anos, passando de 188 registros em 2011 para 313 este ano. O resultado é aproximadamente 13,5 % maior que em janeiro de 2012, quando foram notificadas 276 ocorrências. Os dados foram divulgados hoje (8) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão ligado à Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro.

De acordo com a pesquisa, o registro de roubo a turistas em janeiro deste ano teve uma queda de cerca de 16,7%, com 70 casos em 2013 contra 84 notificações em 2012. O Código Penal diz que o furto é o ato de subtrair para si ou outrem alguma coisa alheia móvel, sem o emprego de violência. Já o roubo é a apropriação de bens móveis mediante grave ameaça ou violência, sem que haja a possibilidade de resistência.

Em nota, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (Abih- RJ) informou que “ por muitos anos a insegurança manchou a imagem da cidade, especialmente na mídia internacional. A bem-sucedida política de Segurança Pública, que se dedicou arduamente à instalação de unidades pacificadoras, ao combate ao crime e ao tráfico de drogas, foi um divisor de águas”.

Em relação aos recentes casos de violência contra turistas estrangeiros no Rio, como o estupro de uma jovem, roubo e agressão de seu namorado no interior de uma van que faz o transporte alternativo e o roubo a um grupo de nove alemães, também em uma van, na Floresta da Tijuca, a associação declarou que “atualmente as comunidades são amplamente visitadas pelos turistas. As pessoas andam mais tranquilas à noite, especialmente pelas ruas da zona sul da cidade, já que os corredores turísticos são as áreas com maior policiamento”.

Para a Abih, como os episódios foram pontuais, ainda não foram estimados prejuízos ou cancelamentos de viagens ao Rio de Janeiro. “Os acontecimentos representam um sinal amarelo, uma ameaça de retrocesso a um trabalho de reposicionamento arduamente desenvolvido nos últimos anos. Sendo em Copacabana, bairro mais famoso da cidade, por exemplo, aumenta ainda mais a repercussão negativa”.

Com o intuito de garantir a segurança durante os grandes eventos internacionais que vão ocorrer no Rio, como a Jornada Mundial da Juventude e a Copa das Confederações, marcados para este ano, a Polícia Civil fez ontem (7) um treinamento com cerca de 500 pessoas na Estação Cantagalo do metrô, em Copacabana. Durante o exercício, houve a simulação de um ataque suicida, evacuação de plataforma de metrô, ameaça de bomba e intervenção do grupo tático da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core).

Escrito por:

Agência Brasil