Publicado 05 de Abril de 2013 - 13h41

Capivara

Arquivo Notícia Animal

Capivara

Fonte: Notícia Animal / Martim Vieira / Câmara Municipal de Piracicaba 

Uma ação preventiva na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo, busca reduzir o atropelamento de animais silvestres nas vias.

Já é possível ver que foram colocadas placas de alerta para os motoristas que transitam pela Avenida Comendador Pedro Morganti, que dá acesso à região do Monte Alegre.

Os animais mais afetados são quatis, tatus, macacos e capivaras, que semanalmente são atropelados e mortos ao longo desta pista.

Defesa animal

O alerta deste problema ambiental é defendido pelo advogado Frederico Alberto Hencklain Blaauw, que na manhã da última quarta-feira,10, procurou o gabinete do vereador Capitão Gomes (PP) para encaminhamento de reivindicações junto ao poder público, bem como acionar a direção da Escola de Agronomia, a Esalq, para solucionar o problema, que também inclui reparos na pista e corte de mato alto que dificulta o tráfego na região.

 

Morador há mais de dois anos na região do Monte Alegre, Frederico Blaauw enfatiza que o problema de atropelamento de animais silvestres parece fazer parte de todas as rodovias do país, com pequenas exceções, sendo que no caso da Avenida Pedro Morganti, no trecho que liga a Esalq, Aeroporto e conjuntos residenciais como o Residencial Monte Alegre e o bairro Monte Alegre não existem placas alertando o motorista sobre a passagem de animais.

Também não existem placas suficientes de alerta sobre limite de velocidade, sendo que o tráfego da região teve aumento em função de novos loteamentos, fábrica de papel, construção de anel viário e acesso à Esalq.

 

Blaauw demonstra que o problema é uma tragédia silenciosa, da qual a maioria dos piracicabanos nunca ouviu falar. Segundo uma pesquisa feita pelo biólogo Emerson Vieira, da Universidade de Campinas, estima-se em 2.700 o total de animais mortos por ano só nas rodovias federais da região Sudeste.

Armadilha para os silvestres

O Brasil tem milhares de quilômetros de rodovias que atravessam santuários ecológicos, sendo que em todas elas o atropelamento da fauna é um problema. A estrada é uma armadilha mortal para essa enorme variada fauna, porque atrai os animais antes de matá-los, sem contar o risco à integridade física das pessoas que por ali transitam diariamente.

 

Alguns desses animais são atraídos para o meio da rodovia em busca de pequenos animais e insetos que também são atropelados pelos automóveis e servem de banquete para seus predadores.

Exemplo em outros países 

Experiências de outros países no assunto mostram que é possível reverter esta situação. A Alemanha, onde estão as estradas ecologicamente mais corretas do planeta, combinam cercas que impedem o acesso dos animais à pista, com viadutos pelos quais eles possam atravessar de um lado a outro, sem ter de enfrentar os carros.

Nos Everglades, a imensa área de pântanos ao sul da Flórida, nos EUA, as rodovias de alta velocidade são suspensas nos trechos de maior concentração da fauna. Em outras regiões, vizinhas de parques nacionais, usam-se até aparelhos que emitem ondas ultrassônicas para afastar os animais da rodovia.

Veja também