Publicado 09 de Abril de 2013 - 8h43

Por Agência Anhanguera de Notícias

Com uma economia média de R$ 588,60 para cada um dos 276 motoristas cadastrados, o Ponto a Ponto — sistema de cobrança de pedágio por quilômetro rodado — completa hoje um ano de operação na Rodovia Engenheiro Constâncio Cintra (SP-360), que liga Itatiba a Jundiaí.

De acordo com a Rota das Bandeiras, concessionária responsável pela estrada, ao longo desse período, o projeto-piloto proporcionou economia de R$ 162,4 mil aos seus usuários. Nessa fase experimental, foram convidados a participar apenas os moradores de nove bairros de Itatiba que ficam entre a praça de pedágio localizada no Km 77,1 da rodovia e o limite com o município de Jundiaí.

No período, foram registradas 119.442 passagens nos pórticos do Ponto a Ponto, sendo 85% — 100.876 —, no sentido Itatiba, onde a tarifa teve maior redução. Antes, os moradores dos bairros selecionados pagavam a tarifa inteira, no valor de R$ 2,10. Com o novo sistema, a tarifa no mesmo trecho passou a ser de R$ 0,60.

Morador do condomínio Parque da Fazenda, que fica em Itatiba, mas está localizado depois do Km 77,1, onde está instalada a praça de pedágio, o empresário Arlindo Fornas foi o usuário que mais utilizou o Ponto a Ponto nesse período, com 1.183 passagens pelos pórticos.

Para ele, o impacto no bolso foi perceptível. “Minha empresa fica dois quilômetros para frente da praça de pedágio, o que faz com que eu passe pelo sistema até dez vezes ao dia. Com certeza, para mim, a economia foi bem grande”, afirmou.

Para o corretor de imóveis Humberto Luis Crivellaro, de 52 anos, que também mora no Parque da Fazenda, o ideal seria que a cobrança não existisse, uma vez que uma das saídas do condomínio fica a menos de um quilômetro da praça de pedágio.

Mas, segundo ele, em relação ao que era gasto antes, com certeza, o sistema trouxe benefício. “Eu já cheguei a pagar R$ 340,00 por mês. Agora, gasto em média R$ 80,00.”

Segundo o professor de engenharia civil da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) especialista em transportes Creso de Franco Peixoto, a economia gerada pelo novo sistema está compatível com pesquisas realizadas pela Unicamp em veículos usados para viagens curtas, mas a tendência é que os valores aumentem para longas distâncias.

“A economia está compatível com a expectativa deste consumidor, que usa curtos trechos da estrada. Entretanto, esse sistema de pedágio tende a encarecer para longos trechos em relação ao modelo atual. Mas, com certeza, é uma forma mais justa de cobrança”, disse.

O Ponto a Ponto é um programa do governo do Estado que prevê uma nova forma de cobrança de pedágio nas rodovias paulistas, feita por sistema eletrônico e com base no trecho percorrido pelo usuário.

Em 2012, além da SP-360, ele foi implantado experimentalmente nas rodovias Santos Dumont (SP-75), que liga Campinas a Sorocaba, e Adhemar de Barros (SP-340), de Campinas a Mogi Mirim.

A região de Campinas foi escolhida para iniciar o sistema por ser uma das que possuem mais praças de pedágio no Estado. Ao todo, são 23 espalhadas pelas estradas. Agora, com os resultados do projeto-piloto, será estudada a efetivação e extensão para as demais rodovias paulistas.

Escrito por:

Agência Anhanguera de Notícias