Publicado 07 de Novembro de 2012 - 13h29

Barcos fez os dois gols do Palmeiras na partida

Agência Estado

Barcos fez os dois gols do Palmeiras na partida

Em meio à crise do Palmeiras com a ameaça de rebaixamento no Campeonato Brasileiro, o argentino Barcos é um dos poucos que tem convivido em paz com a torcida. Artilheiro e destaque da equipe mesmo em meio à péssima campanha, o jogador, no entanto, sabe pelo que seus companheiros têm passado e se solidarizou.

Barcos criticou as ameaças de alguns torcedores e disse que deixará o clube se não sentir-se seguro. "Ficar num país que nem é meu e ainda ter que andar de carro blindado, armado, ou com segurança, é difícil. Para ficar assim, eu vou para casa. Desse jeito não dá pra aceitar, fica difícil trabalhar", declarou, nesta quarta-feira.

Nos últimos dias, o Palmeiras tem demonstrado muita preocupação com a segurança de seus jogadores, principalmente após ameaças e ataques de bombas à Academia de Futebol. Por isso, a diretoria sugeriu algumas outras precauções aos atletas, como evitar sair sozinho na rua, não ir a festas e estacionar o carro na área reservada para imprensa ou convidados no CT.

O próprio Barcos confirmou que alguns atletas foram ameaçados, mas garantiu que a ira da torcida ainda não o atingiu. "Continuo vivendo da mesma forma, não mudei nada e nem fui ameaçado".

O péssimo momento palmeirense, assemelha-se, segundo o atacante, a uma má fase vivida pela LDU quando ele atuava no clube equatoriano. Daquela vez, no entanto, o argentino sofreu com a insegurança. "Teve um momento no Equador em que falaram que iam sequestrar minha filha. Minha mulher ficou desesperada e disse para irmos embora. Viver com medo é algo muito difícil", lembrou.

Esta não é a primeira vez que Barcos ameaça deixar o Palmeiras. Há algumas semanas, o argentino ameaçou se transferir caso o clube caísse para a Série B. Ele tem sondagens de equipes como a Fiorentina, da Itália, mas garantiu que neste momento só se preocupa em evitar o rebaixamento palmeirense. "Não é o momento para falar disso (possível saída). Minha preocupação é manter o Palmeiras na Série A".

O clube vive situação desesperadora no Campeonato Brasileiro e é apenas o 18.º colocado, com 33 pontos, sete atrás do Bahia, primeiro time fora da zona de rebaixamento. Na próxima rodada, a 35.ª da competição, o adversário será o líder Fluminense, neste domingo, em Presidente Prudente.