Publicado 10 de Novembro de 2012 - 5h00

 

Obama

Mizael Corrêa de Paula

Corretor de imóveis, Campinas

Há 4 anos, quando o presidente dos Estados Unidos, mr. Barack Obama, foi eleito, eu expressei uma congratulação a ele, através deste Correio do Leitor, fazendo uso da Bíblia Sagrada, com o versículo final do Salmo 121: “que Deus o abençoe e o guarde em toda sua missão.” Hoje, reeleito, quero poder reusar essa palavra forte e benigna de Deus, o Altíssimo Criador, conforme o Salmo 32, versículo 8: “Instruir-te-ei e te ensinarei o caminho que deves seguir, e, sob as minhas vistas, te darei conselhos.” Presidente Obama, em benefício de nosso planeta, que

a luz divina prevaleça sobre mais quatro anos de sua enorme missão.

Truque

Nei Silveira de Almeida

Aposentado, Belo Horizonte

(...) Se faz necessário que os órgãos competentes pela fiscalização, no que concerne ao Código de Direitos do Consumidor, procedam uma verificação rígida nas redes de drogarias e farmácias de Belo Horizonte, que estão ludibriando e enganando os consumidores com um suposto desconto nos medicamentos que, perceptivelmente, são irreais. É o velho truque de colocar um preço acima do real na etiqueta e depois simular um desconto para vender o produto pelo preço real. (…) Basta verificar as enormes diferenças de preços de medicamentos de mesmo laboratório entre redes, sendo genéricos ou não. E proceder uma verificação na documentação fiscal dos produtos. Lembrando que idosos e aposentados são os maiores consumidores de medicamentos.

Diabético

Maria A. Amaecing Langbeck

Aposentada, Campinas

A saúde constitui-se como uma condicionante explícita do próprio direito à vida e do próprio corolário do princípio da dignidade da pessoa, porém, os diabéticos dependentes do sistema público estão ‘vendendo o almoço para comprar a janta’. Tudo estava indo bem até acontecer a mudança de aparelho e fita para medição da diabetes. Hoje, o posto de saúde autoriza a entrega de apenas 50 fitas por mês, quando a indicação médica é de medir, no mínimo, três vezes ao dia, o que torna indispensável 90 fitas por mês. Como se vê, o doente não pode fazer o controle diário real que precisa porque deve escolher entre medir o nível glicêmico após o almoço ou após o jantar, cuidando para que não tenha indigestão, pois a gestão na área deixa a desejar.

Diário do Povo

Luiz Carlos F. Magalhães

Padre e jornalista, Campinas

Realmente foi uma pena o término do tradicional Diário do Povo. Fui um escritor assíduo do Diário, na Carta do Leitor, quando a diocese de Campinas dava os primeiros passos para criar a assessoria de imprensa, e ainda articulista interino de d. Gilberto Pereira Lopes, em sua coluna semanal. Terminando o curso de jornalismo na PUC-Campinas fiz estágio em sua redação com o jornalista Romeu Santini e, por um certo tempo, frequentei a tipografia do jornal, na Rua César Bierrembach, para compor e imprimir o jornal tabloide A Tribuna, da Arquidiocese. Tempos de aprendizagem e parceria! Todos reconhecem que o jornal fez história, registrando acontecimentos marcantes da cidade e região. Parabéns pela versão digital do jornal Diário do Povo nessa nova fase.

Crematório

Raul S. Moreira

Eng. agrônomo, Campinas

Gostaria de sugerir ao prefeito eleito, sr. Jonas Donizette, um estudo sobre a viabilidade da construção de um forno crematório, dentro do Cemitério Nossa Senhora da Conceição, nos Amarais. Sua construção poderia ser uma parceria com uma empresa privada. Ele representará para a Região Metropolitana de Campinas uma grande solução, pois a cremação é em tudo e por tudo um benefício para a população, cujos parentes dos falecidos não terão mais de ficar pagando eternamente a manutenção de uma sepultura. Além disso, a cremação resolve problemas de princípios de higiene, ocupação de espaços e, com o tempo, a manutenção por parte do cemitério de um ossário daqueles que foram abandonados por seus familiares.

Deputados

Marcos Lance

Autônomo, Campinas

Fiquei imensamente preocupado em saber que nosso deputado estadual Gerson Bitencourt (PT) e nossos deputados federais Paulo Freire (PR) e Guilherme Campos (PSD) não puderam estar presentes na reunião com o nosso prefeito eleito Jonas Donizette (PSB) para tratar de assuntos importantíssimos de interesse coletivo para nossa cidade. A justificativa dada foi a de que teriam compromissos agendados na mesma data (Correio Popular, Cidades, página A-4, do dia 6/11). Espero que as divergências políticas continuem, e elas são importantes e salutares, pois democracia é assim, porém, devemos pensar que em primeiro plano está o povo campineiro que votou nesses senhores para representá-los. O tempo dirá como irão agir. Com a palavra, nossos nobres deputados.

Mínimo

Luiz Gonzaga Pereira

Economista, Campinas

Segundo o Dieese, o salário mínimo em vigor no exercício de 2012 representa nada mais nada menos do que 70% do que vigorava no ano de 1940, ou seja, 72 anos após. A classe trabalhadora tinha exatamente um valor maior do que o de hoje. O Dieese também divulga que o salário mínimo ideal e que garante qualidade de vida, cultura, moradia, saúde e alimentação deveria ser de R$ 2.616,41. O governo, por sua vez, informa, de forma equivocada, que nunca o trabalhador brasileiro ganhou tão bem como hoje, ano de 2012. É lamentável sob todos os aspectos tal posição em uma economia emergente como afirmam órgãos nacionais e internacionais, ocupando a 6ª colocação em escala mundial economicamente falando (…).

Adjuntos

José Carlos Solimeo

Consultor de empresas, Vinhedo

Notícias publicadas na imprensa de Vinhedo nos dão conta de que a Prefeitura, não contente com a existência de 17 (!) secretarias, acaba de criar o cargo de secretário-adjunto para todas as secretarias, ou seja, mais 17 secretários para “cuidar” das diversas áreas do município. Considerando-se que, pelo último censo, Vinhedo tinha 64 mil habitantes, temos uma média de um secretário para cada 1.880 habitantes. Os titulares ganham salário próximo dos R$ 11 mil e os adjuntos ganharão salário próximo dos R$ 9 mil! Mais do que uma indecência, é uma imoralidade, um acinte contra a população pagadora dos impostos.

Ônibus

Vanderlei da Costa

Funcionário Público

No dia 5/11, da janela do prédio, assistimos a luta dos bombeiros para tentar salvar uma vítima de acidente na Av. Moraes Sales (...). A cena é realmente chocante, mas ao meu ver é totalmente previsível e vai se tornar rotineira se nada mudar. Convido as autoridades desta cidade a andar no transporte público ao menos uma vez por semana, sem se identificar é claro, para que vejam como os motoristas conduzem esses veículos. Numa situação de emergência o ônibus não terá freio o suficiente para parar, e ainda que tenha, muita gente não terá forças para se segurar dentro dele. Alguém precisa fazer alguma coisa urgente.