Publicado 23 de Novembro de 2012 - 11h04

Manter o ambiente limpo e higienizado é o primeiro passo para evitar o conchego de carrapatos

Divulgação

Manter o ambiente limpo e higienizado é o primeiro passo para evitar o conchego de carrapatos

Os carrapatos são parasitas externos que se alimentam do sangue do hospedeiro, que são os animais, tais como cães, gatos, coelhos, lebres, cavalos, vacas, galinhas, perus, porcos, cabras, carneiros, e animais silvestres tais como cachorros-do-mato, gambás, ratos, pacas, cotias, coatís, tatus, tamanduás, todas as aves silvestres e as famosas capivaras. Por isso, 

Foto: Divulgação.

Divulgação

Amblyomma cajennense

O Carrapato-estrela e a Febre maculosa

Carregando a faixa de segundo maior transmissor de doenças, perdendo apenas para o mosquito, o carrapato pode ser tá prejudicial para o animal quanto para seu dono. Entre as principais espécies geradoras de doenças em humanos , está o carrapato-estrela, que transmite a bactéria Rickettsia rickettsii. Essa bactéria é portadora da febre maculosa, uma das mais preocupantes doenças quando o assunto é carrapato. Ainda não se sabe com exatidão se ela infecta os animais hospedeiros, já que eles não manifestam sintomas, mas os malefícios em humanos é incontestável.

O contágio da febre maculosa se dá através do carrapato infectado. A partir de quatro a seis horas (depois da fixação do carrapato) a doença já pode ser transmitida. Segundo a veterinária Gisele Tomassoni, “o carrapato pode estar infectado por essa bactéria já na fase de larva (conhecida como micuim) e ninfas (carrapatinhos) e é ai que acaba picando o humano sem que ele perceba. Quando esses carrapatos estão na fase adulta, são muito grandes e fáceis de se ver”.

Se não tratada corretamente, a febre maculosa pode levar ao óbito em duas semanas. No entanto, quando diagnosticada, o tratamento é feito à base de antibióticos. A doença leva em média sete dias para se manifestar e identificado os sintomas, o paciente deve iniciar o tratamento o mais rápido possível, não ultrapassado três dias, para que o efeito do medicamento atinjam o efeito desejado.

Termômetro de Mercúrio, Febre, Alta, GrauFique atento aos sintomas

- Febre alta

- Dor de cabeça

- Dor no corpo

- Diarreia

- Fortes manchas vermelhas pelo corpo

Atenção: É imprescindível que você relate ao médico caso tenha frequentado ambientes rurais, ou feito trilhas ao ar puro e montanhas. Isso porque os sintomas são parecidos com os de outras doenças, como meningite, sarampo, hepatite, entre outras e seu diagnóstico é lento, por conta da demora de exames laboratoriais, como o de sangue.

Apesar da existência de uma vacina como prevenção, os médicos não consideram uma alternativa cogitada. Apesar da alta letalidade proporcionada pela doença, os números de infectados é considerado baixo quando comparado a outras doenças. Portanto, a melhor forma de evitá-la é protegendo-se com roupas e calçados próprios e fazendo uso de repelentes com concentrações maiores do produto químico DEET (N-N-dietil-meta-toluamida), que são eficientes contra mosquitos e carrapatos.

Foto: Divulgação.

Divulgação

Rhipicephalus sanguineus

Ehrlichiose e Babesiose: O mal dos cães

Duas doenças que são bem preocupantes hoje em dia quando trata-se dos cães: a Ehrlichiose e a Babesiose. Transmitidas pelo mesmo carrapato, o “carrapato vermelho do cão”, a diferença é que a babesiose é um protozoário que acaba alojando as hemácias e as destroem, enquanto a Erliquiose é uma bactéria que destoe os glóbulos brancos.

Assim como a febre maculosa em humanos, essas doenças podem levar a morte do cão se não forem tratadas logo no início. “ O diagnóstico no animal é super fácil e pode ser realizado por exame de sangue, esfregaço de sangue e sinais clínicos. A prevenção também é simples, basta manter sempre limpo a casa, quintal, habitat onde o animal vive e as paredes, usando carrapaticidas”, afirma Tomassoni.

Prevenção

O primeiro passo para evitar que esse bichinho grude no seu animal é simples: manter o ambiente sempre limpo e higienizado. Isso porque cerca de 95% dos carrapatos estão presentes ao ar livre, como gramas, buracos e lugares altos, por serem mais quentes, como partes pequenas do quintal expostas ao sol, por exemplo. Outra maneira, é manter a casinha do seu animal de estimação sempre livre de bactérias. Para isso, é necessário lavar com água e sabão uma vez por semana.

Cão tomando banhoSegundo Gisele, “existem produtos próprios para a prevenção, desde coleiras, pulverizadores e óleos que podem ser colocados no pescoço do animal rente ao couro. Dependendo do produto, a duração pode chegar à três meses. Uma dica é sempre trocar o produtos a cada vez que for passar novamente por um outro que contenha um principio ativo diferente, assim não cria resistência e sempre vai fazer efeito”.

Se por um acaso seu animal pegar carrapato, dê um bom banho com produto próprio contra carrapato, vasculhe a casa e o local aonde ele dorme e faça uma dedetização com o carrapaticida. Para o especialista Roberto Stevenson, “ o procedimento no momento em que se vê o carrapato, é a retirada com pinça, uma a um. Depois, encaminhar seu animal à banhos com produtos que matam carrapatos e observar quanto a alterações de comportamento, como deixar de se alimentar, febre, diarreia entre outros. Caso algum desses casos aconteça, encaminhá-lo a um veterinário”.