Publicado 23 de Novembro de 2012 - 19h43

Por Delma Medeiros

A cantora Maria Alcina

Divulgação

A cantora Maria Alcina

A união de duas forças: a potência da voz de Maria Alcina e a música de Luiz Gonzaga. Isso é o que o público pode esperar do show '100 Anos do Rei do Baião', uma homenagem ao centenário do lendário sanfoneiro e cantor, que é apresentado neste sábado (24), em Campinas.

A cantora conta que desde seus primeiros discos tem gravado canções de Gonzagão. “O Luiz Gonzaga está introjetado no sangue, na veia dos cantores brasileiros. E neste ano de seu centenário, resolvemos montar um show-tributo a ele. O espetáculo estreou em março e tem circulado por várias cidades brasileiras, sempre com uma repercussão muito boa por parte do público”, afirma Maria Alcina, que além do espetáculo recentemente gravou a música 'Chamego' num CD que reúne composições de Gonzagão cantadas por vários intérpretes.

Maria Alcina é figura essencial nesse tributo por sua forma singular de cantar forró, com uma divisão melódica única do ritmo nordestino. No show ela canta acompanhada por Wander Prata na percussão e bateria, Emiliano Castro no violão e Olívio Filho, que também é diretor musical do espetáculo, no acordeão. “Esta formação trouxe a beleza da obra de Luiz Gonzaga e o arrojo que ela tem naturalmente”, diz Maria Alcina, que emociona o público já na abertura, cantando 'Asa Branca', com acompanhamento apenas de acordeon. No repertório entram clássicos como 'Paraíba', a primeira gravada por ela, 'Baião', 'Sabiá', 'Qui Nem Jiló' e muitas outras surpresas.

Maria Alcina começou sua trajetória ao sair de Cataguases (MG), sua cidade natal e onde não havia muitas possibilidades de uma vida artística, para estabelecer-se no Rio de Janeiro. Seus primeiros trabalhos foram apresentações em teatros de revista, ao lado de Leila Diniz, e em casas de shows. A cantora ganhou projeção nacional em 1972 com a canção 'Fio Maravilha', de Jorge Benjor. Também gravou composições de artistas consagrados como Rita Lee, João Bosco & Aldir Blanc e Eduardo Dusek.

Em 2003 surpreendeu o mundo da música gravando um CD com o grupo de música eletrônica Bojo — 'Agora' —, que lhe rendeu ainda mais prestígio junto à crítica, shows por todo País e uma apresentação em Berlim, na Feira de Música Popkomn. Em 2009, ganhou o Prêmio da Música Brasileira nas categorias de melhor cantora, melhor álbum e melhor produção, pelo disco 'Confete e Serpentina'. Para 2013 prepara um CD comemorativo de seus 40 anos de carreira. “Estou elaborando o projeto junto com o mesmo produtor deste show, Thiago Marques. Comecei minha vida artística em 1972. É uma glória para qualquer profissional se manter essse tempo todo na ativa. Há que comemorar”, resume. 

Serviço

Show de Maria Alcina - '100 Anos do Rei do Baião'

Neste sábado (24), às 20h

No Sesi Amoreiras (Avenida das Amoreiras, 450 - Parque Itália) - Campinas. Telefone: (19) 3772-4184

De graça

 

Escrito por:

Delma Medeiros