Publicado 11 de Novembro de 2012 - 12h08

Uma quadrilha explodiu caixas eletrônicos de agência do Banco do Brasil (BB) de Joanópolis, região de Bragança Paulista, na madrugada desta domingo (11). Aproximadamente dez homens chegaram no BB localizado na Praça Padre Domingos Segurado, área central da cidade, colocaram as bananas de dinamite, efetuaram a explosão, apanharam o dinheiro e fugiram, segundo a Polícia Civil.

 

A quantia roubada não foi divulgada. Esse foi o segundo ataque em 50 horas contra caixas eletrônicos em cidades menores e distantes até 110 quilômetros de Campinas – Joanópolis está a 109 kms. A outra ação foi às 23h da última quinta-feira (8) em Holambra (a 40 kms de Campinas), onde o alvo também foi o BB. Três suspeitos de integrar bando que ataca caixas eletrônicos foram detidos em Jaguariúna na madrugada de sábado (10).

 

Segundo informações que chegaram à Polícia Civil de Joanópolis, os ladrões que agiram na cidade estavam fortemente armados – pistolas e possivelmente fuzis. Chegaram no Banco do Brasil (única agência bancária do município, pois existe um Bradesco apenas como posto de atendimento) em dois veículos – Astra e Vectra.

 

Os ladrões se dividiram. Enquanto uns entraram no prédio para a colocação dos explosivos, outros se posicionaram na área externa, para dar cobertura aos comparsas. Após a explosão, por volta da 1h, entraram novamente no BB, apanharam dinheiro e correram para os veículos. Ainda roubaram, na saída, uma picape Fiat Strada, que acabou abandonada ainda na cidade. O bando, segundo informação recebida pelos policiais civis, foi em direção da Rodovia Dom Pedro I.

 

Conforme alguns policiais, a ação em cidades menores tem se viabilizado pelo fato de não possuírem agentes de segurança (policiais civis e militares, além de guardas municipais, por vezes) em grande número. Assim, os bandidos têm menos “trabalho” para efetuar o ataque. A probabilidade de um confronto também diminui. As cidades escolhidas também possuem boa malha viária – Joanópolis tem proximidade da Rodovia Dom Pedro I e Holambra, a Rodovia Ademar Pereira de Barros (Campinas/Aguaí) – para facilitar a fuga.

 

As cidades de pequeno porte já foram pontos de ações de bandidos na fase de número elevado de sequestros, entre 2000 e 2008, quando chácaras eram alugadas para servir de cativeiro. Eram propriedades grandes, afastadas de áreas centrais dos municípios, de difícil acesso para os agentes de segurança, e que serviam como excelente esconderijo.