Publicado 06 de Novembro de 2012 - 11h31

Por France Press

Os herdeiros de Mao Tse-tung designam nesta semana o homem que dirigirá até 2017 e, sem dúvida, até 2022, os destinos da China, um país convertido em uma formidável potência econômica e controlado com mão de ferro pelo Partido Comunista, pouco disposto a ceder poderes a uma sociedade ávida por mudanças na era da internet.

 

Xi Jinping, de 59 anos, um homem do aparato do partido, desconhecido pelo grande público, assumirá o lugar de Hu Jintao, dez anos mais velho que ele, à frente de um partido único de 82 milhões de membros e que se reunirá a partir de quinta-feira em seu 18º congresso no Grande Palácio do Povo de Pequim, junto à praça Tiananmen.

Xi, designado como seu sucessor, é vice-presidente do Estado chinês desde 2008. Sua esperada nomeação como secretário-geral do Partido Comunista Chinês (PCC) o converte ipso facto no próximo presidente da República Popular, uma formalidade prevista para março de 2013, na reunião anual da Assembleia Nacional Popular (ANP, Parlamento).

Xi herda uma China em plena mudança, que pretende manter sua posição de segunda economia mundial, atrás dos Estados Unidos, e que forma parte dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, essencial na busca de acordos em questões como as da Síria, Irã ou Coreia do Norte.

Potência marítima em ascensão, a China apresenta de maneira firme suas reivindicações em litígios de fronteiras marítimas com Japão, Vietnã, Filipinas ou Brunei, no âmbito de uma rivalidade crescente com os Estados Unidos no Pacífico.

Nenhum diplomata espera um giro repentino do novo líder: a diplomacia chinesa irá manter suas prioridades, entre elas a de evitar uma piora da crise financeira na Europa, primeiro mercado para suas exportações.

Em matéria de direitos humanos, a China que Hu Jintao legará a Xi Jinping continua sendo alvo de críticas. Um primeiro teste será saber se Xi libertará o prêmio Nobel da Paz 2010, o intelectual e dissidente Liu Xiaobo.

Xi não terá as mãos livres. Assim como seu antecessor, precisará buscar permanentemente o consenso entre os membros do comitê permanente do Burô Político, o órgão supremo do PCC.

O número de integrantes deste comitê poderá ser reduzido de nove para sete para facilitar a tomada de decisões, ao diminuir os riscos de conflito entre "conservadores" e "reformistas".

Xi é geralmente apresentado como um homem aceito pelas duas partes. Será apoiado por Li Keqiang, que sucederá em março Wen Jiabao no cargo de primeiro-ministro.

Na China reinam muitas incertezas sobre a situação econômica, onde a "década de ouro" de Hu Jintao deu lugar a um crescimento desacelerado a 7,5%, o mais baixo desde a explosão da crise financeira asiática de 1997-1998. Uma situação que já gera uma agitação social recorrente, divulgada por usuários chineses de internet, apesar da censura.

Além disso, Xi chegará ao poder ao término de um "annus horribilis" para o PC chinês, marcado pelo caso Bo Xilai, o maior escândalo dos últimos anos, pelas revelações sobre a fortuna de sua própria família e sobre a que o primeiro-ministro Wen Jiabao supostamente acumulou.

Bo Xilai, membro do Burô Político até abril, será julgado por corrupção e abuso de poder, envolvido no caso do assassinato do empresário britânico Neil Heywood por sua esposa, Gu Kailai.

A corrupção maciça dos círculos dirigentes chineses figura entre as maiores preocupações do congresso e de seus cerca de 2.200 delegados, cujo trabalho irá avalizar, salvo surpresa, em aproximadamente uma semana as decisões do comitê central que o precedeu na semana passada.

Se a tradição for respeitada, Xi cumprirá dois mandatos de cinco anos.

Apesar de sua partida, Hu Jintao pode conservar a presidência da poderosa comissão militar do PCC e manter, deste modo, sua influência.

Os membros do novo comitê permanente serão apresentados no fim do congresso.

Esta transição será a primeira que conduzirá ao poder um dirigente nascido após o início do regime, em 1949.

Xi será o sexto líder máximo da República Popular da China, depois de Mao Tse-tung (1949-1976), Hua Guofeng (1976-78), Deng Xiaoping (1978-92), Jiang Zemin (1992-2002) e Hu Jintao (2002-2012).

Escrito por:

France Press