Publicado 07 de Novembro de 2012 - 23h08

A cubaba Daymi tenta a defesa durante a partida contra o Osasco

Felipe Christ/Divulgação

A cubaba Daymi tenta a defesa durante a partida contra o Osasco

A equipe do Sollys/Nestlé mais uma vez mostrou porque é considerada a melhor equipe do Brasil na atualidade e não deu chances para o Vôlei Amil na segunda partida do playoff decisivo do Campeonato Paulista de Vôlei Feminino. Nesta quarta-feira (07/11), em Osasco, venceu novamente por 3 a 0 (25/18, 25/21 e 25/20) e conquistou o seu 11º título estadual. O resultado foi bem recebido também do outro lado da quadra: ao chegar a uma final logo na primeira competição em que disputa, o clube campineiro atingiu o objetivo traçado pelo técnico José Roberto Guimarães quando foi contratado.

O tricampeão olímpico reiterou, logo após a definição do placar, o que disse quando conquistou a vaga na decisão. "O Sollys/Nestlé é o melhor time do Brasil disparado e sabíamos que seria difícil. O resultado foi extremamente justo", reconheceu o treinador. De fato, a superioridade mostrada pelas rivais, atuais campeãs do mundo, é comprovada por meio dos números conquistados na temporada: a equipe de Osasco completou nesta quarta o seu 39º jogo sem derrota e levanta o troféu estadual de forma invicta. Com elenco considerado a base da seleção feminina (Jaqueline, Sheilla, Thaísa, Fernanda Garay e Adenízia), as campeãs não sabem o que é sair de quadra sem vencer desde janeiro, contra a Unilever, no primeiro turno da Superliga da temporada passada. De quebra, conquistou também o Sul-Americano e Mundial Interclubes.

A partida desta quarta não mudou de tom em relação ao primeiro duelo, domingo (04/11) passado, em Campinas. Com Jaqueline e Fernanda Garay mais uma vez inspiradas, o primeiro set foi liderado de ponta a ponta pelo Osasco, que liquidou a parcial em 25/18 com pouco mais de 20 minutos. Com muitas falhas na recepção, as campineiras acabaram por facilitar o jogo ofensivo da rival e Zé Roberto começava a sinalizar que faria mudanças no decorrer da disputa.

Foi o que aconteceu na volta para o 2º set, quando o treinador passou a fazer rodízio na equipe na tentativa de surpreender a adversária. Mas, desde o início, quem destoava no Vôlei Amil era apenas Ju Nogueira, a melhor jogadora da equipe na partida. Apenas quando as anfitriãs abriram 18/12, o time conseguiu se acalmar para equilibrar o jogo. Só que já era tarde e novamente o Osasco fechou com certa tranquilidade: 25/21.

No 3º set, as donas de casa abriram logo cinco pontos de vantagem. Quando Campinas parecia equilibrar a partida, a força do adversário voltou à tona e o ponto do título, marcado por Jaqueline, coroou a bela campanha das campeãs: 25/20.

SUPERLIGA

As duas equipes voltam a se enfrentar na estreia da Superliga dia 23, às 21h, novamente em Osasco. Para a estreia da competição nacional, Zé Roberto manteve a moderação no otimismo. "Precisamos melhorar muito ainda, mas o fato de poder contar com mais jogadoras nos dará mais opções táticas dentro de quadra."