Publicado 07 de Novembro de 2012 - 21h11

Por Paulo Santana

Cicinho deve mudar de ares na próxima temporada: proposta pelo reconhecimento do trabalho

César Rodrigues/AAN

Cicinho deve mudar de ares na próxima temporada: proposta pelo reconhecimento do trabalho

A Ponte Preta deseja, mas reconhece que será difícil segurar o lateral-direito Cicinho depois que o Campeonato Brasileiro acabar. Empresários ligados ao Fluminense, São Paulo, Palmeiras, Cruzeiro e Botafogo já demonstraram interesse e chegaram a consultar o clube campineiro para apresentar propostas e levar o jogador de 24 anos. Ele divide a liderança da Bola de Prata (prêmio da revista Placar) com Marcos Rocha, do Atlético-MG, convocado algumas vezes para defender a Seleção Brasileira.

O Flu teria acenado com uma proposta de R$ 5 milhões. O tricolor do Morumbi estaria disposto a dar uma quantia em dinheiro e mais um jogador a ser escolhido de uma lista. Elogiado pelo técnico Gilson Kleina, Cicinho até chegou a conversar com o presidente do Palmeiras, Arnaldo Ticone. Cruzeiro e Botafogo entraram agora na briga pelo jogador.

A Macaca adquiriu, em maio deste ano, 30% dos direitos econômicos de Cicinho e prorrogou seu contrato por mais três anos, até dezembro de 2015. Desde então, a “cláusula compensatória” passou para R$ 3,5 milhões, valor que é considerado baixo, pelo desempenho do lateral na temporada.

Cicinho jogou 28 das 34 partidas da Macaca no Brasileirão. Ficou fora apenas por contusão ou suspensão. “Nossa intenção é continuar com o atleta, mas sabemos que existe uma valorização muito grande pelo futebol que ele vem apresentando. Ao final da competição, quando tivermos alcançado nossos objetivos, podemos discutir a situação do Cicinho. Se os números que chegarem até nós nos agradarem, com certeza podemos negociar. Por enquanto, apenas consultas sobre valores, nada de oficial”, garante o executivo de futebol da Macaca, Ocimar Bolicenho.

Caso Cicinho realmente seja vendido, a Macaca pretende investir o dinheiro que for arrecadado na compra de parte dos direitos do atacante Luan (40% por R$ 1,2 milhão), do meia Nikão (30% por R$ 900 mil) e do volante Renê Junior (30% por R$ 1,2 milhão).

Ao todo, o clube terá que desembolsar cerca de R$ 3,3 milhões pelos jogadores. A Macaca tembém tenta renovar com o volante Baraka, o zagueiro Tiago Alves, o lateral João Paulo, todos do Mogi Mirim, e o atacante Roger, que é dono de seus direitos.

PRÊMIO

Na corrida pela Bola de Prata, Cicinho tem a mesma pontuação que Marcos Rocha, do Atlético-MG: 5,95. Só perde no número de partidas disputadas: 29 a 28. Bruno, do Fluminense, é o terceiro com 5,81. O quarto lugar está com Luís Ricardo, da Portuguesa, que acumula 5,76 e o quinto é Ayrton, do Coritiba, com 5,71. Cicinho também concorre ao Craque da Galera, promovido pela CBF e Rede Globo.

Escrito por:

Paulo Santana