Publicado 25 de Novembro de 2012 - 21h18

Por Carlos Rodrigues

Vilson Tadei, que pode ser demitido: treinador ganhou só 19% dos pontos disputados no Guarani

Edu Fortes/AAN

Vilson Tadei, que pode ser demitido: treinador ganhou só 19% dos pontos disputados no Guarani

O rebaixamento do Guarani para a Série C do Campeonato Brasileiro provocará mudanças no clube. O planejamento inicial, que tinha em vistas a participação da equipe na Série B, terá que ser alterado. Nesta segunda-feira (26/11), em reunião no Brinco de Ouro, os primeiros resultados da reestruturação serão conhecidos. Entre eles, a quase certa saída de Roberto Constantino do cargo de diretor de futebol, bem como a definição sobre o futuro do técnico Vilson Tadei e de jogadores em final do contrato.

Quem garantiu que não fica é Roberto Constantino. Ele já comunicou a decisão a Álvaro Negrão, o provável futuro presidente do clube. “Não vou permanecer. Nesse momento, as mudanças são importantes. Isso estava decidido antes do jogo. Com qualquer resultado, eu não ficaria mais”, afirmou o dirigente.

Com respeito à permanência ou não de Vilson Tadei – que tem contrato até maio de 2013, as opiniões são distintas. Em entrevista logo após a partida, o comandante mostrou interesse em ficar. “Tenho contrato com o clube e quero fazer um planejamento com a diretoria para termos um Guarani forte. Quero crer que prevaleça o bom senso. Se fosse dito para mim que eu ficaria só para terminar o Campeonato Brasileiro, eu não viria”.

Álvaro Negrão, possivelmente o novo presidente, disse que a decisão será tomada em conjunto. “Eu não quero adiantar nada, nem vou definir isso sozinho. Vamos primeiro esperar abaixar a poeira e definir todos juntos, como temos feito”.

Horley Senna, que deve ser aclamado vice-presidente na mesma chapa, adiantou sua posição contrária à permanência de Tadei.

“Com todo o respeito, ele não tem aprovação nenhuma. Para mim, é um técnico superado e que não devia estar à frente do Guarani”, enfatizou.

Saídas de jogadores também serão discutidas. Treze jogadores (Cláudio Allax, Bruno Neves, Emerson, Fábio Bahia, Fabrício, Fernando, Gabriel, Kleiton Domingues, Lusmar, Rodrigo Arroz, Ronaldo, Thiaguinho e Willian Favoni) tem contrato prestes a acabar e muitos não continuarão.

“Com certeza, muitos jogadores que estão em fim de contrato não renovarão porque as coisas mudaram completamente. O planejamento era para que eles disputassem a Série B”, disse Roberto Constantino.

Escrito por:

Carlos Rodrigues