Publicado 25 de Novembro de 2012 - 16h48

O alemão Sebastian Vettel foi tocado por Bruno Senna no início da corrida, mas se recuperou durante a prova

Antonio Scorza/France Press

O alemão Sebastian Vettel foi tocado por Bruno Senna no início da corrida, mas se recuperou durante a prova

A pista de Interlagos e seu clima incerto mais uma vez não decepcionaram e deram o tempero para uma decisão digna daquele que é considerado o campeonato mais disputado da história da Fórmula 1. O favorito Sebastian Vettel levou o terceiro título seguido, mas passou por um pouco de tudo na tarde chuvosa deste domingo (15/11) em São Paulo.

O alemão terminou três pontos à frente de Fernando Alonso após completar o GP do Brasil em sexto lugar. O espanhol foi segundo. Jenson Button venceu a corrida e Felipe Massa completou o pódio.

O drama de Vettel começou logo na primeira volta, quando foi tocado por Bruno Senna e caiu para último. Escalou posições até o quinto lugar, mas um erro estratégico, quando colocou pneus de pista seca quando a chuva apertou, e uma parada lenta o relegaram novamente para fora do top 10. O alemão voltou a ganhar posições para chegar em sexto. Enquanto isso, Alonso, mesmo com a inversão de posições com o companheiro Felipe Massa, não conseguiu superar Jenson Button para obter a vitória que lhe daria o campeonato.

Assim, o alemão se tornou o tricampeão mais jovem da história, aos 25 anos, quatro meses e 22 dias e deixou claro que não gostou das atitudes da Ferrari principalmente nas corridas finais, com inversões de posições e uma punição deliberada para manter Alonso na briga pelo título. “Muitas pessoas tentaram usar artifícios sujos, certas coisas que, do nosso ponto de vista, estavam além do limite e nunca nos irritamos ou nos distraímos por isso. Sempre fui criado para ser honesto. Acho que é por isso que vencemos.”

O piloto da Red Bull ainda ironizou Bruno Senna pelo toque na primeira volta. “Sabíamos pela volta de apresentação que a curva quatro estava muito escorregadia, e acho que Bruno não se lembrou disso.”

Do lado de Alonso, a bronca no balanço do campeonato ficou com Romain Grosjean, pelo acidente na largada do GP da Bélgica, e com os comissários que, para o espanhol, deveriam ter punido Vettel na classificação do GP do Japão. O bicampeão, no entanto, salientou que não esperava estar lutando por este título e que, por isso, a derrota não é tão frustrante quanto a de dois anos atrás, quando chegou à última prova liderando e perdeu para o próprio Vettel. “Não tivemos o carro mais rápido durante a temporada e foi um milagre ter chegado até o final em condições de vencer o campeonato. Sinto-me muito orgulhoso pela equipe.”

O espanhol também agradeceu Massa, tanto pelo trabalho de equipe na pista, quanto pelas horas de testes no simulador da equipe. O brasileiro ficou muito emocionado com seu primeiro pódio no Brasil desde 2008. “Tive um começo de ano difícil psicologicamente, tomando porrada de tudo quanto é lado - essa é a palavra -, e em agosto pensei 'ou vai, ou vai’. A partir de então, voltei a ser competitivo do jeito que sempre soube”, destacou.

FUTURO DOS BRASILEIROS

O final de semana do GP do Brasil foi marcado por discussões acerca do futuro dos pilotos brasileiros. Até o momento, apenas Felipe Massa está confirmado para o ano que vem, em que fará sua oitava temporada pela Ferrari.

Bruno Senna está fora da Williams, pois o time irá anunciar no final da próxima semana a contratação de Valtteri Bottas, piloto finlandês que hoje participa de sessões de treinos livres pela equipe. Em Interlagos, Senna foi monossilábico sobre seu futuro e apenas repetiu que “não há nada definido”.

Outro que vem buscando seu lugar é Luiz Razia, vice-campeão da GP2 em 2012. O baiano tem praticamente assegurada uma vaga na Marussia, mas almeja pilotar pela Force India, que chegou a liderar o GP Brasil com Nico Hulkenberg. “É a melhor equipe até agora com uma vaga disponível. Testamos com eles e, felizmente, temos um pé lá dentro. Os pilotos que já testaram ou que correram pela equipe têm uma preferência, como o Jules Bianchi e o Adrian Sutil e estamos concorrendo com eles”, afirmou.

Já Rubens Barrichello tratou de diminuir os boatos de que tentava voltar ao grid, pela Caterham. “Realmente estive nos boxes deles, mas foi apenas para visitar e conversar com o Kovalainen”, contou o piloto. “Eu tenho algumas propostas da Stock Car, mas não há nada definido. Também converso com patrocinadores sobre a Indy.”

SUPERAÇÃO

O projetista da Red Bull, Adrian Newey, revelou que o carro de Sebastian Vettel por pouco não ficou pelo caminho na corrida que deu o terceiro título mundial ao piloto alemão. Vettel foi acertado por Bruno Senna logo na primeira volta e teve sérios danos no escapamento, vital para a pressão aerodinâmica do carro.

Voltas depois, uma peça da carenagem também se soltou. “Os danos eram o máximo que o carro poderia ter e, ainda assim, terminar a corrida”, explicou Newey. “Tudo o que poderíamos fazer era monitorar os dados. Claro que o carro perdeu pressão aerodinâmica e alteramos a configuração da asa dianteira na primeira parada para tentar compensar isso. Mas a principal preocupação era o escapamento, porque poderia pegar fogo e seria o fim do jogo. Do pitwall, só podíamos cruzar os dedos.”

Newey destacou o espírito de luta de Vettel e da equipe mesmo em um dia no qual muita coisa deu errado para a Red Bull, que errou na estratégia do alemão, obrigando-o a fazer uma parada a mais que os rivais, e teve problemas na comunicação via rádio. O inglês revelou ainda que foi difícil segurar a emoção em uma corrida tão movimentada. “Estou completamente exausto.”

Resultado Final - GP do Brasil

1. Jenson Button 1h45min22s656

2. Fernando Alonso +2s754

3. Felipe Massa +3s615

4. Mark Webber +4s936

5. Nico Hulkenberg +5s708

6. Sebastian Vettel +9s453

7. Michael Schumacher +11s900

8. Jean-Eric Vergne +28s600

9. Kamui Kobayashi +31s200

10. Kimi Raikkonen +1 volta

11. Vitaly Petrov +1 volta

12. Charles Pic +1 volta

13. Daniel Ricciardo +1 volta

14. Heikki Kovalainen +1 volta

15. Nico Rosberg +1 volta

16. Timo Glock +1 volta

17. Pedro de la Rosa +2 voltas

18. Narain Karthikeyan +2 voltas

19. Paul di Resta +3 voltas

20. Lewis Hamilton Abandonou

21. Romain Grosjean Abandonou

22. Pastor Maldonado Abandonou

23. Bruno Senna Abandonou

24. Sergio Perez Abandonou

Classificação de Pilotos

1. Sebastian Vettel 281

2. Fernando Alonso 278

3. Kimi Raikkonen 207

4. Lewis Hamilton 190

5. Jenson Button 188

6. Mark Webber 179

7. Felipe Massa 122

8. Romain Grosjean 96

9. Nico Rosberg 93

10. Sergio Perez 66

11. Nico Hulkenberg 63

12. Kamui Kobayashi 60

13. Michael Schumacher 49

14. Paul di Resta 46

15. Pastor Maldonado 45

16. Bruno Senna 31

17. Jean-Eric Vergne 16

18. Daniel Ricciardo 10

Classificação de Construtores

1. Red Bull 40

2. Ferrari 400

3. McLaren 378

4. Lotus 303

5. Mercedes 142

6. Sauber 126

7. Force India 109

8. Williams 76

9. Toro Rosso 26

10. Marussia 0

11. Caterham 0

12. HRT 0