Publicado 25 de Novembro de 2012 - 10h45

Por Inaê Miranda

Fotos, recortes de jornais e todas as lembranças do período de glória do time foram recuperados e expostos em uma galeria no local

ÉRICA DEZONNE/AAN

Fotos, recortes de jornais e todas as lembranças do período de glória do time foram recuperados e expostos em uma galeria no local

Uma partida de futebol animada marcou os 94 anos do Sousas Futebol Clube (S.F.C.) de Campinas no feriado da Proclamação da República. O evento reuniu ex-jogadores e integrantes do time além de seus familiares para um almoço de confraternização e entrega de diploma de honra ao mérito. A partida foi simbólica e durou pouco mais de meia hora, porque o que valia mesmo era o reencontro e resgate do clube que faz parte da história de Sousas e de Campinas.

Cláudio Arlindo Lopes, presidente do master de ex-jogadores profissionais e um dos organizadores do evento é também um dos integrantes mais velhos do clube atualmente. São 57 anos de S.F.C. “O nosso principal objetivo hoje é resgatar a história do Sousas, fundado em 1918, e de famílias tradicionais que participaram e ajudaram a fundá-lo”, disse. Ao todo, foram entregues 110 certificados de honra ao mérito em memória das pessoas que fizeram história no clube, desde jogadores, presidentes, diretores e colaboradores.

Antônio Mantovani, o Ipojucã, que entrou no livro dos recordes como o autor do gol mais rápido do mundo, feito em um campeonato amador aos 4 segundos do 1<SC210,186> tempo

Fotos, recortes de jornais e todas as lembranças do período de glória do time fora

m recuperados e expostos em uma galeria dentro do próprio clube. Os amigos se reencontraram e lembraram do período em campo. Eduardo Gonçalves de Souza, que está no clube há 41 anos, levou as fotos das partidas e campeonatos que disputou pelo S.F.C. Lopes lembrou que o time foi campeão em 1970 e bicampeão em 1973. “O Sousas já faz parte da história de Campinas pelo grande clube que é”, completou.

Atletas que fizeram história no Brasil e até no mundo também deram brilho ao evento, entre eles Antônio Mantovani, o famoso Ipojucã, que entrou no livro dos recordes como o autor do gol mais rápido do mundo feito em um campeonato amador — entre o Esporte Clube Marazul e a Associação Portuguesa Anastaciana. Aos quatro segundos do primeiro tempo, o centroavante do Marazul marcou um gol contra o time adversário. A partida terminou empatada em 3 a 3. “Fiz os três gols naquele dia”, lembrou ele.

Um mural, no S.F.C., lembrava o feito de Ipojucã, a história do clube campineiro e dos atletas que saíram de lá para brilhar em grandes times brasileiros, como é o caso de Sabará, que jogou 15 anos no S.F.C., foi revelado pela Ponte Preta, em 1948, na sequência foi defender a camisa do Vasco e foi convocado para jogar na Seleção Brasileira. Também foi lembrado Walter Trajano, o Sagui, jogador que se destacou nos anos 70.

SAIBA MAIS

A história completa do time e os nomes que fizeram parte dele podem ser vistos no site: http://www.sousasfc.com.br/

Evento comemorativo reuniu ex e atuais jogadores, além de suas famílias, em uma partida simbólica de 30 minutos 

Escrito por:

Inaê Miranda