Publicado 10 de Novembro de 2012 - 8h00

Por Inaê Miranda

Candidato presta exame para obter a licença para dirigir na Rua Luís Antônio Assunção Leite: transtorno

Janaína Maciel/AAN

Candidato presta exame para obter a licença para dirigir na Rua Luís Antônio Assunção Leite: transtorno

Moradores da Vila Proost de Souza, em Campinas, estão divididos com a transferência dos exames práticos de autoescola da Vila Manoel Ferreira para o local desde segunda-feira. Ao lado de onde os candidatos são avaliados está o Centro de Saúde Jardim Aurélia, bastante frequentado pelos moradores e que agora tem o estacionamento tomado por carros dos novos visitantes do bairro. Parte das pessoas reclamam da movimentação, barulho e da sujeira deixada nas ruas. Segundo a Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), o local foi escolhido em comum acordo com a Prefeitura.

No novo endereço estão sendo realizados apenas os exames da categoria B, para automóveis. Da Rua Luís Antônio Assunção Leite, os candidatos dão a partida para a prova de percurso. Já na Rua Mário Nogueira de Almeida é feita a prova de baliza. Trechos das duas ruas são interditados com cavaletes da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) e os outros veículos são proibidos de estacionar nos locais das 7h às 14h, período no qual os candidatos são avaliados. De acordo com o delegado de polícia da 7ª Ciretran e responsável pelo setor de habilitação, Peterson Tadeu Melo, em aproximadamente cinco horas de 300 a 350 candidatos são examinados.

A realização dos exames e as interdições das ruas ocorrerão entre segunda e quinta-feira.  Na segunda-feira, a cada 15 dias, serão realizados os exames para pessoas com necessidades especiais e, semanalmente, terça-feira, quarta-feira e quinta-feira, serão realizados os exames para os demais candidatos. O problema é que a movimentação desde segunda-feira, quando os exames começaram a ser realizados no novo endereço, passou a incomodar muita gente. “Está insuportável. É muito barulho logo cedo. A rua já era movimentada por causa do mercado que tem aqui perto e agora piorou. O pessoal também bate nas portas para pedir água ou para usar o banheiro”, reclamou a moradora Maria de Fátima da Rocha.

Quem também não gostou da mudança foi a funcionária pública Rosimeire Oliveira. “Essa rua tem um grande fluxo de carros porque o pessoal entra nela para acessar o Unimart e o Enxuto e, com o exame de autoescola, a coisa piorou. O bairro é tradicional. Cerca de 60% dos moradores compraram terreno aqui há mais de 40 anos e a população de idosos é grande. As pessoas fazem caminhada nas calçadas e não podem mais porque a rua fica repleta de gente e de carros. Também tem o posto de Saúde que tem o estacionamento tomado pelos carros das pessoas que trazem os candidatos para fazer a prova”, reclamou. “É muita movimentação de carro e de gente. Sempre acabam deixando lixo no chão. Ficou muito ruim”, completou a aposentada Aparecida Pereira.

Acordo

Segundo Melo, o novo local para o exame foi definido em comum acordo entre a Ciretran e a Prefeitura de Campinas. “Onde era feito antes, os instrutores, examinadores, todos os alunos não tinham banheiro, não tinham um abrigo para ficar na sombra”, afirma. A Emdec informou que faz operação no local no momento da prova auxiliando com sinalização e bloqueio do trecho onde é feito o exame e que vai reforçar a fiscalização em relação as infrações que estiverem sendo cometidas.

SAIBA MAIS

O exame para habilitação de motos é realizado em dois locais, no Parque da Figueira e no Tancredão. Já os exames para as categorias pesadas, C, D e E, continuam sendo realizados na Rua Cecília Samia Zarur, na Vila Manoel Ferreira, onde também era realizado o exame de habilitação para carro.

 

Escrito por:

Inaê Miranda