Publicado 06 de Novembro de 2012 - 9h35

Na busca: desempregados conferem oportunidades de trabalho disponíveis no mercado de Campinas

Cedoc/RAC

Na busca: desempregados conferem oportunidades de trabalho disponíveis no mercado de Campinas

A geração de emprego na Região Metropolitana deCampinas (RMC) deve fechar 2012 com crescimento 35% menor em relação a 2011, de acordocom a Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) com base nos números doCadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Dejaneiro a setembro de 2011, foram criados 42.375 postos na região,contra 27.521 no mesmo período deste ano.

Em Campinas, até setembro de 2012 foram gerados 12.767 postos de trabalho, uma expansão de 3,46% sobre o estoque de dezembro de 2011 - mas ainda muito aquém do crescimento verificado no mesmo período de 2011.

“A geração de empregos na região vinha em uma sequência vigorosa no ano passado, que começou a diminuir em janeiro de 2012. A indústria foi o setor que mais perdeu postos, afetada pela crise econômica internacional”, afirmou o economista da associação, Laerte Martins.

O ramo de comércio e serviços continua sendo o que mais emprega na RMC, com criação de 19.671 vagas este ano, uma variação de 3,78% em relação a 2011. A indústria e a construção civil empregaram 2.534 pessoas em 2012 - diferença de 0,85%.

O desemprego na RMC, no entanto, continua abaixo da média nacional em comparação com outras regiões metropolitanas. Enquanto no País 4% da população economicamente ativa das cidades mais adensadas não tem carteira assinada, na região são 3,98% (ou 62.771 desempregados). Em Campinas, a taxa é de 3% (17.855).

“A necessidade da mão deobra qualificada, procurada pela indústria e serviços de Campinas e região,justifica a demanda e mantém baixa a taxa de desemprego”, explicou Martins.

Dia das Crianças

O Dia das Crianças movimentou no comércio campineiro este ano 8,5% a mais do que no ano passado, com um faturamento de R$ 869,1 milhões. Na RMC, o crescimento foi de 8%.

O número maior de dias úteis em outubro ajudou a atingir os bons resultados. No mês passado, os consumidores também preferiram comprar mais à vista (5,57%) do que a prazo (5,19%), “talvez temerosos em relação ao endividamento”, de acordo com o economista.

No acumulado até outubro, o faturamento dos lojistas deveficar em R$ 7,5 bilhões -4,77% acima do valor de 2011. Já para o final do ano, a Acicprevê expansão das vendas acima dos dois dígitos, já queo 13 deve injetar R$ 829 milhões emCampinas e R$ 1,9 bilhão na RMCaté dezembro.

Inadimplência 

Enquanto na região a inadimplência caiu para 5,85% em outubro, com 370.232 carnês com mais de 30 dias de atraso neste ano, Campinas teve aumento de 4,56%, com 149.044 carnês inadimplentes. No ano passado, eram 143.411.

Aproximadamente R$ 195milhões deixaram de circular no comércio da cidade por conta dos mau pagadores. NaRMC, o montante é de R$ 480,5 milhões.