Publicado 29 de Novembro de 2012 - 8h46

Por Maria Teresa Costa

Vista geral do Polo de Alta Tecnologia de Campinas, o Ciatec 2: universidade vai dispor de R$ 150 milhões para aquisição de terras na área

Cedoc/RAC

Vista geral do Polo de Alta Tecnologia de Campinas, o Ciatec 2: universidade vai dispor de R$ 150 milhões para aquisição de terras na área

O governo do Estado deverá desapropriar uma área de 1,43 milhão de metros quadrados ao lado da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), dentro do Polo de Alta Tecnologia de Campinas, o Ciatec 2, para a expansão do campus de Barão Geraldo. Pelo menos três grandes empresas estão esperando essa decisão, com interesse em instalar na área laboratórios de pesquisas. A Samsung, a Chevron e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) planejam desenvolver pesquisas em parceria com a universidade, na área que terá uma parte dedicada à ampliação do seu parque científico.

A Samsung quer desenvolver tecnologia em telefonia e outros equipamentos; a Chevron quer aproveitar o conhecimento da Unicamp na área de petróleo, mas especificamente em prospecção, e a Embrapa quer fazer pesquisas para desenvolver sementes resistentes a altas temperaturas, visando ter produtos adaptados às mudanças climáticas. O assessor da reitoria, Paulo Rodrigues da Silva, disse ontem que a universidade decidiu não comprar a área, mas solicitar ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) que faça a desapropriação. Os recursos para o pagamento sairão da Unicamp, que já obteve a autorização do Conselho Universitário para dispor de R$ 150 milhões para a aquisição das terras. “Decidimos pagar segundo as normas estabelecidas na desapropriação”, afirmou.

O prefeito eleito Jonas Donizette (PSB) está intermediando a negociação entre Unicamp e governo do Estado. “Tenho todo o interesse na ampliação do parque científico da Unicamp e na atração de centros de pesquisa de grandes empresas”, afirmou o prefeito eleito.

A área integra a Fazenda Argentina, de propriedade da empresa Heliomar S.A., tem entre os sócios José Pires de Oliveira Dias Neto, vice-presidente da rede Drogasil, e seu irmão Carlos Pires Oliveira Dias, presidente da rede de farmácias e vice-presidente do conselho de administração do Grupo Camargo Corrêa. É a mesma terra que o Itaú-Unibanco negociava para instalar, em Campinas, o Centro Tecnológico de Operações (CTO) do banco, um investimento de R$ 1 bilhão que a cidade perdeu para Mogi Mirim. Oficialmente, o banco teria optado por aquela cidade após análise da infraestrutura disponível, como área, capacidade de suprir a demanda de energia, água e telecomunicações, além da localização. Mas o que pesou na decisão foram as exigências ambientais e principalmente a insegurança jurídica que se instalou em Campinas com a cassação dos prefeitos Hélio de Oliveira Santos (PDT) e Demétrio Vilagra (PT).

O dinheiro que está disponível para a aquisição da área é de uma reserva previdenciária feita entre janeiro de 2006 e outubro de 2008, que atualizada soma R$ 155,7 milhões, e que estava destinada ao pagamento de uma dívida com o Instituto de Previdência do Estado de São Paulo (Ipesp).

Complexo científico terá o dobro de seu espaço atual  

Uma parte da área a ser adquirida pela Unicamp será destinada a ampliação do parque científico da universidade, que hoje ocupa um terreno de 100 mil metros quadrados e terá o dobro assim que a fazenda for integrada ao patrimônio da universidade. Esse parque integra a Agência de Inovação Inova Unicamp, destinada a ampliar o impacto do ensino, pesquisa e extensão da universidade, por meio de parcerias e iniciativas que estimulem a inovação.

A Cameron do Brasil é a primeira empresa a se instalar no Parque Científico da Unicamp. A chegada da multinacional abriu caminho para que outras empresas venham a se instalar. A Cameron vai ocupar uma área de 850 metros quadrados e deverá concluir a construção da obra em dois anos. Os custos envolvidos na construção serão de responsabilidade da empresa O próximo empreendimento a se instalar será o Laboratório de Inovação e Biocombustíveis (LIB), que ocupará uma área de mil metros quadrados. Mas há atualmente muitas empresas prospectando oportunidades no parque da universidade.

 

Escrito por:

Maria Teresa Costa