Publicado 27 de Novembro de 2012 - 8h47

Por Maria Teresa Costa

Placas de captação de energia solar ao lado de torre na Subestação Tanquinho da CPFL: projeto prevê 4,5 mil painéis para gerar o equivalente ao consumo de 657 clientes

Edu Fortes/AAN

Placas de captação de energia solar ao lado de torre na Subestação Tanquinho da CPFL: projeto prevê 4,5 mil painéis para gerar o equivalente ao consumo de 657 clientes

O carro que o prefeito eleito Jonas Donizette (PSB) vai utilizar durante o mandato será elétrico. A Prefeitura terá 40 desses veículos para serem usados na Administração, como parte de uma parceria que começou a ser delineada na semana passada entre Jonas, a CPFL Energia, a Secretaria de Estado de Energia e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O prefeito disse que a integração desses veículos à frota — a marca do carro não está definida — é parte do projeto de dar sustentabilidade à Administração, colocando na sua rotina o uso de energia limpa, de forma a reduzir as emissões de carbono.

A CPFL tem um projeto de carros movidos à energia elétrica, dentro de um programa nacional que visa diversificar a matriz energética do País. Três modelos de veículos estão no projeto da empresa. O Th!nk City, veículo de passeio fabricado na Noruega, foi trazido pela empresa em 2010 ao Brasil para testes em parceria de exclusividade.

Há também o utilitário Aris, projetado pela Edra e que foi homologado pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) há dois anos para circular nas vias públicas. Em parceria com os Correios, um dos veículos foi testado na entrega de Sedex em um bairro de Campinas.

Outro modelo é um Palio Weekend, em um projeto em parceria com a Fiat e a Itaipu. Em 2010, o veículo teve instalado o primeiro ar-condicionado elétrico para atender às exigências de nosso clima tropical. Os três modelos importados pela empresa têm uma autonomia de 160 quilômetros.

Jonas disse que a marca do veículo vai depender da disponibilidade do fabricante em ter as baterias para armazenamento nos carros. É possível, informou, que o modelo seja da Renault. Segundo o prefeito eleito, não haverá custos para a Prefeitura porque os recursos virão de um fundo da Aneel, específico para projetos de diversificação da matriz energética brasileira.

A CPFL, no início do ano, entrou em uma nova fase, substituindo a energia hidroelétrica pela energia solar no carregamento dos veículos. A energia fotovoltaica é fornecida por painéis contendo células fotovoltaicas ou solares que, sob a incidência do sol, geram energia elétrica. A energia gerada pelos painéis é armazenada em bancos de bateria para que seja usada em período de baixa radiação e durante a noite.

A conversão direta de energia solar em energia elétrica é realizada nas células solares através do efeito fotovoltaico, que consiste na geração de uma diferença de potencial elétrico através da radiação. O efeito fotovoltaico ocorre quando fótons (energia que o sol carrega) incidem sobre átomos (no caso, átomos de silício), provocando a emissão de elétrons, gerando corrente elétrica. Esse processo não depende da quantidade de calor, pelo contrário, o rendimento da célula solar cai quando sua temperatura aumenta.

Outra linha de pesquisa realizada pela CPFL é a montagem do primeiro protótipo de bateria de lítio com química tipo NMC no Brasil. O trabalho faz parte de uma parceria entre CPFL; Edra, fabricante do veículo Aris; Cegasa, empresa detentora da tecnologia do lítio e responsável pelas células que são utilizadas na construção da bateria, e a Electrocell, responsável pela montagem dos componentes e executante do sistema eletrônico de gerenciamento das baterias.

Já o sistema BMS, considerado o cérebro eletrônico da bateria, será desenvolvido integralmente em território brasileiro. Diante disso, a perspectiva é que um conjunto completo de baterias de lítio NMC possa ser desenvolvido e montado no Brasil, sem necessidade de importação.

Desde 2008, a CPFL Energia investe em pesquisa e desenvolvimento desse tipo de tecnologia, buscando soluções que emitam menos carbono e utilizem fontes de energia alternativas. Esse tipo de veículo permite uma redução de dez vezes nas emissões.

Escrito por:

Maria Teresa Costa