Publicado 10/07/2019 - 20h01 - Atualizado 10/07/2019 - 20h01

Por AFP


Yazmín Juárez, uma guatemalteca que em 2018 perdeu sua filha quando estava detida em um centro para imigrantes na fronteira dos Estados Unidos, denunciou nesta quarta-feira ao Congresso americano a "crueldade" dos locais de detenção.

Antes da audiência na Comissão pelos Direitos Civis da Câmara dos Representantes intitulada "Crianças em jaulas", Juárez declarou à imprensa que espera "conseguir uma mudança, fazer a diferença ao revelar o que acontece nos centros de detenção do ICE (Serviço de Imigração), a crueldade com que tratam as crianças, algo extremamente injusto".

Juárez contou que chegou aos Estados Unidos porque temia por sua vida na Guatemala e após cruzar a fronteira fez um pedido de asilo, sendo levada a um centro de detenção no qual sua filha de 19 meses, doente por ficar em uma "cela fria", morreu por falta de assistência médica.

"Quando o ICE finalmente nos soltou, levei Mariee imediatamente ao médico", mas já era muito tarde e a criança morreu seis semanas depois, contou Yazmín.

O presidente do Comitê de Supervisão da Câmara, Elijah E. Cummings, afirmou que o "governo patrocina abusos de menores em grande escala".

O presidente da Liga de Congressistas Hispânicos, Joaquín Castro, pediu uma maior "prestação de contas" sobre estes incidentes e que a longo prazo se estabeleça um "Plano Marshall" para Honduras, El Salvador e Guatemala, a exemplo do conjunto de investimentos feito na Europa após a Segunda Guerra Mundial.

Na segunda-feira, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, se disse "profundamente chocada" com as condições de detenção dos imigrantes ilegais nos Estados Unidos.

Escrito por:

AFP