Publicado 08/07/2019 - 22h15 - Atualizado 08/07/2019 - 22h15

Por AFP


O governo canadense anunciou nesta segunda-feira (8) novas medidas para proteger a baleia franca no Atlântico norte, uma espécie em risco de extinção, depois da morte de seis destes mamíferos desde o começo de junho no Golfo de San Lorenzo.

Ao menos três destas mortes foram atribuídas de forma preliminar a colisões com embarcações, disse Marc Garneau, Ministro dos Transportes do Canadá, enumerando as novas medidas que vão entrar em vigor nesta terça-feira e que aumentarão notavelmente as restrições à velocidade de navegação.

Aviões de vigilância do governo continuam buscando ativamente outras três baleias francas, observadas em dias recentes enroladas em cordas.

"As tentativas de resgatar as baleias enroladas em redes de pesca só serão levadas em consideração se puderem ser feitas de forma segura", informou o ministério da Pesca e Oceanos.

Estas operações de resgate são "mais difíceis" devido ao tamanho, à força e ao comportamento das baleias francas, sem mencionar as condições climáticas e o estado do mar, informou o ministério em um comunicado.

De acordo com as autoridades canadenses, restam apenas 400 baleias francas no mundo e diante das recentes mortes, Ottawa decidiu aplicar novas medidas de proteção para a espécie desde a terça-feira.

Em particular, o governo ampliará a área a leste do Golfo de San Lorenzo (noroeste de Canadá), onde as embarcações não podem navegar a mais de 10 nós (19km/h) durante os meses em que a baleia franca está presente.

Além disso, o limite de velocidade agora será aplicado a qualquer embarcação com mais de 13 metros, em comparação com os 20 metros anteriores.

Estas medidas se somam ao reforço recente do programa de vigilância aérea dos ministérios do Transporte, Pesca e Oceanos, cujo número de sobrevoos no Golfo aumentou de 7 para 24 por semana, se o clima permitir.

Escrito por:

AFP