Publicado 07/07/2019 - 21h45 - Atualizado 07/07/2019 - 21h45

Por AFP


Londres anunciou neste domingo a abertura de uma investigação sobre os vazamentos à imprensa de telegramas diplomáticos em que o embaixador britânico nos Estados Unidos teria classificado o governo de Donald Trump, entre outras coisas, de "inepto" e "excepcionalmente disfuncional"."Será aberta uma investigação oficial sobre os vazamentos", declarou um porta-voz do ministério das Relações Exteriores, que não questionou a veracidade das circulares diplomáticas em questão.O chanceler britânico, Jeremy Hunt, se distanciou das declarações que supostamente foram feitas pelo embaixador Kim Darroch."É muito importante dizer que o embaixador estava fazendo seu trabalho de embaixador, que é proporcionar relatórios francos e opiniões pessoais sobre o que ocorre no país em que ele trabalha [...], mas são opiniões pessoais, não as opiniões do governo britânico, nem a minha opinião", declarou, segundo um comunicado."Continuamos pensando que, com Donald Trump, o governo americano é, além de muito eficiente, o melhor amigo para o Reino Unido no cenário internacional", acrescentou Hunt, em campanha para se tornar o próximo primeiro-ministro britânico, uma nomeação que será feita em 23 de julho.Ao ser perguntado sobre esses vazamentos, que foram publicadas por The Mail on Sunday, o presidente americano considerou que Kim Darroch "não serviu bem ao Reino Unido". "Não somos muito fãs desse homem", disse à imprensa.Segundo o The Mail on Sunday, o diplomata britânico teria dito que a presidência de Trump poderia "desabar e se incendiar" e "terminar em desgraça", segundo uma série de circulares e relatórios enviados ao Reino Unido"Realmente não acreditamos que esse governo se tornará substancialmente mais normal, menos disfuncional, menos imprevisível, menos rachado, menos torpe e inepto diplomaticamente", teria escrito Darroch em um telegrama.O diplomata teria escrito também que "as lutas internas e o caos" na Casa Branca, dos quais se fala muito nos Estados Unidos embora Trump as classifique de "notícias falsas", são "verdadeiros na maioria dos casos".Darroch é um dos mais experientes diplomatas britânicos. Assumiu a embaixada do Reino Unido em Washington em janeiro de 2016, antes do início da presidência de Trump.Segundo o The Mail, as circulares vazadas abarcam o período desde 2017.clw/plh/sgf/cc

Escrito por:

AFP