Publicado 07/07/2019 - 14h15 - Atualizado 07/07/2019 - 14h15

Por AFP


Talibãs e autoridades afegãs de alto escalão retomaram neste domingo (7), no Catar, um diálogo para tentar alcançar uma solução política, no momento em que os Estados Unidos buscam se retirar da guerra mais longa de sua história.Organizado pela Catar e pela Alemanha, o encontro acontece em meio a um forte dispositivo de segurança em um hotel em Doha. Teve início às 6h30 GMT (3h30 em Brasília) e deve terminar na segunda-feira.Participam cerca de 70 delegados afegãos, entre talibãs e representantes políticos e da sociedade civil, assim como organizações de mulheres."Algumas das mentes mais brilhantes da sociedade afegã", afirma Markus Potzel, representante especial da Alemanha para Afeganistão e Paquistão."Vocês terão a oportunidade e a responsabilidade de encontrar os meios para transformar a confrontação violenta em um debate pacífico", defendeu o enviado alemão, ao inaugurar a sessão."Queremos uma 'mapa de rota' para o futuro do Afeganistão", disse o representante especial do Catar para a luta antiterrorista, Mutlaq al-Qahtani.Segundo a delegada Asila Wardak, membro do Alto Conselho para a Paz - instância de reconciliação afegã -, "todo mundo insiste em um cessar-fogo"."O objetivo é negociar para que cheguem a um acordo sobre as condições para alcançar a paz", afirmou o negociador americano, Zalmay Khalilzad, em entrevista à AFP.O encontro está sendo realizado após uma rodada de discussões entre negociadores americanos e talibãs nos últimos dias em Doha. Segundo Khalilzad, estas foram "as mais produtivas" até agora.O porta-voz dos talibãs em Doha, Suhail Shaheen, também disse estar "feliz com os progressos" alcançados.Qualquer acordo de paz com os talibãs repousa sobre quatro pilares: retirada das tropas americanas e o compromisso dos talibãs de não usar o Afeganistão como base para terroristas, diálogo interafegão e cessar-fogo."Pela primeira vez, posso dizer que tivemos (...) progresso nos quatro pontos", reconheceu Khalilzad.gw-agr/hj/mis/me/tt

Escrito por:

AFP