-->

Publicado 10/07/2019 - 08h14 - Atualizado 10/07/2019 - 08h14

Por Alenita Ramirez

Na casa há chuveiro com água quente, segundo informou os guardas, que também encontraram um morador de rua dormindo no chão da sala: os dois foram atendidos na UPA

Matheus Pereira/Especial para a AAN

Na casa há chuveiro com água quente, segundo informou os guardas, que também encontraram um morador de rua dormindo no chão da sala: os dois foram atendidos na UPA

Um aposentado de 71 anos foi detido ontem, em Valinhos, por maus-tratos à filha deficiente mental, de 44 anos, e a um morador de rua de 60 anos. O homem foi flagrado pela Guarda Civil Municipal (GCM) dando banho de mangueira na filha, no início da manhã de ontem, quando a temperatura mínima na cidade no horário era de 9º C, segundo previsão do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE). Já o morador de rua foi achado dormindo no chão da sala, protegido apenas por uma coberta.
Segundo o coordenador da GCM, Sidnei Aureliano, ambos estavam quase sofrendo uma hipotermia, que é quando a temperatura corporal cai abaixo de 35ºC, e foram levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). O grupo mora de favor na casa de uma mulher de 56 anos, que também será indiciada por maus-tratos.Os nomes dos envolvidos foram preservados.
A guarda chegou no imóvel, localizado na Rua Nove, no Jardim dos Palmares 2, após denúncias anônimas ao telefone 153. Segundo Aureliano, a primeira denúncia foi feita por funcionários de uma unidade de saúde, na qual relatava que a filha foi atendida no local no domingo, apresentando hematomas no corpo e muito debilitada. “Passamos a monitorar o caso. Hoje pela manhã recebemos nova ligação, dizendo que o pai dava banho na filha de mangueira”, contou Aureliano.
Quintal
Equipes da GCM seguiram até o endereço e depararam com o aposentado banhando a filha, por volta das 8h, com uma mangueira. O banho acontecia no quintal da frente do imóvel. A moça usava um pijama fino e tremia muito quando os guardas chegaram. “Segundo as denúncias, essa não é a primeira vez que o pai banha a filha no quintal. Inclusive, foi colocado tapume na grade para esconder os maus-tratos. Na casa há banheiro, chuveiro com água quente. Não justifica o que ele fez com a filha”, disse Aureliano.
A casa estava revirada, segundo os guardas. A suspeita é que tanto o aposentado como a dona do imóvel sejam acumuladores. O aposentado alegou que banhava a filha porque ela havia defecado e urinado na roupa.
A secretária de Assistência Social, Dulce Maria de Paula Souza, foi ao local e disse que a situação dos quatro moradores estava bem comprometida. “Assustou muito quando chegamos aqui. Apuramos que tanto a filha como o morador de rua são atendidos na Saúde do município. Nos os acolhemos em um primeiro momento para verificarmos a situação deles. Se não apresentarem problemas mentais, até podemos abrigá-los.
Do contrário, terá que ser analisado, pois não podemos”, disse Dulce. Os guardas apuraram ainda que a dona do imóvel é interditada por uma filha, já que apresenta problemas mentais e faz uso contínuo de remédios controlados. Como ela se recusou a ir para a delegacia, ela será indiciada pelo crime de maus-tratos, assim como o aposentado.

Escrito por:

Alenita Ramirez