-->

Publicado 07/07/2019 - 18h16 - Atualizado 07/07/2019 - 18h35

Por Daniel de Camargo

Projetos pedagógicos possibilitam a interação-construção, por meio do pensamento e da ação, desenvolvendo habilidades como trabalhar em equipe

Divulgação

Projetos pedagógicos possibilitam a interação-construção, por meio do pensamento e da ação, desenvolvendo habilidades como trabalhar em equipe

A Escola Comunitária de Campinas (ECC) realiza a formação de seu aluno como sujeito do seu tempo, numa relação de ensino e aprendizagem focada no aprender a aprender. Diretor pedagógico da instituição, Marcos Roberto Marcio afirma que essa filosofia habilita os estudantes a terem autonomia para construir e renovar seus conhecimentos em qualquer época e para toda a vida.
Para tal, a ECC é constituída, em todos os seus aspectos, como um espaço privilegiado para o conhecimento de si e do outro, onde os princípios e valores comunitários, ou seja, em prol do coletivo, guiem as atitudes, por meio da compreensão crítica, do convívio, do afeto e da percepção do outro. “Nas relações cotidianas, vivencia-se o compromisso com as regras, resolução de conflitos, diálogo e consequências. As atividades solidárias, sociais e políticas integram o currículo”, detalha Marcio.
O educador esclarece que esses fundamentos são permanentemente explicitados nas escolhas dos conteúdos, nas fontes de informação, nas diversas linguagens, nas estratégias e ações educativas, nas relações interpessoais, nas vivências dentro e fora da ECC, constituindo-se em práticas diferenciadas e coerentes. “Nossos valores também permeiam os projetos de classe que trazem como eixo norteador a Declaração Universal dos Direitos Humanos, as questões culturais e sociais, os conflitos e dilemas, as temáticas complexas da sociedade atual”, disse.
Educação Infantil e Fundamental I
Na Escola Comunitária de Campinas (ECC), a Educação Infantil, início da educação básica, estruturada em quatro séries - Infantil 1, Infantil 2, Infantil 3 (pré-escola - 1ª fase) e Infantil 4 (pré-escola - 2ª fase) - tem um papel fundamental para o desenvolvimento da criança, dando a ela o direito de desenvolver-se por meio de uma educação integral. O diretor pedagógico da escola, Marcos Roberto Marcio discorre que essa formação integral das crianças revela-se no cotidiano das práticas educativas e é baseada nos direitos a serem explorados: o conviver (com outras crianças e adultos, ampliando o conhecimento de si e do outro), o brincar (cotidiano da infância, proporcionando experiências emocionais, corporais, sensoriais, expressivas, cognitivas, sociais e relacionais), o participar (ativamente das atividades cotidianas criando repertório para posicionar-se frente a escolha de brincadeiras, espaços, conhecimentos etc.), o explorar (movimentos, gestos, texturas, histórias, cores, palavras etc.), o expressar (como sujeito dialógico, criativo e sensível) e o conhecer-se (construção da identidade pessoal, social e cultural).
No que diz respeito ao Ensino Fundamental I, o educador informa que toda a prática pedagógica é pensada para que o aluno possa se desenvolver integralmente, isto é, em todas as dimensões do ser humano: intelectual, física, social, emocional, cultural. “Para isto, trabalhamos com diferentes metodologias que favorecem o desenvolvimento da criatividade como elemento de autoexpressão; promovem a conduta autônoma, a autoconfiança, a autoestima e a iniciativa; desenvolvem a responsabilidade pessoal e a compreensão dos direitos e deveres; promovem a aquisição de hábitos e atitudes favoráveis ao trabalho de grupo e à convivência na escola.”
Protagonismo
A Escola Comunitária de Campinas (ECC) posiciona-se, de acordo com seu diretor pedagógico, Marcos Roberto Marcio, como protagonista de seu tempo, traduzindo as demandas atuais e futuras em um currículo dinâmico, com metodologias diversificadas, alinhado com as mudanças da sociedade, ao mesmo tempo em que mantém seus princípios e valores.
“Em todos os momentos históricos, a educação precisou fazer frente às mudanças da sociedade. Talvez, o momento atual, devido à velocidade das mudanças, seja um dos mais desafiadores para a escola”, disse o educador. Em sua concepção, a influência da internet, nas duas últimas décadas, provocou mudanças significativas em nossas vidas nos vários aspectos: produção de bens, serviços, consumo, comunicação, relacionamentos e, sem dúvida, na maneira que ensinamos e aprendemos.
Dessa forma, a escola, como instituição responsável pela educação formal, também está tendo que se reinventar, pois deixou de ser a principal detentora das informações e da produção de conhecimento. “Hoje, lidamos com um volume imenso de informações e fontes de pesquisa que exigem de nós a habilidade de criar filtros e estabelecer um mapa de relevância na seleção dessas informações”, explicou Marcio.
Nesse contexto de sociedade da informação em que vivemos, Marcio defende que as metodologias de ensino padronizadas comunguem com a ideia de que as pessoas aprendem por diferentes percursos e em ritmos variados. “Por isso, a utilização de metodologias e recursos variados é importante para possibilitar que os conhecimentos, competências e habilidades sejam desenvolvidos por todos os aprendizes”, garante. Para ele, as escolhas que a escola e a equipe pedagógica fazem nas suas intenções educativas precisam estar alinhadas com seu projeto político pedagógico. “Isso é importante para que a instituição não caia no modismo na utilização de determinados recursos e metodologias e realmente faça opções conscientes que promovam melhores experiências de ensino e aprendizagem”, encerra.
Projeto político pedagógico
A Escola Comunitária pauta suas intenções e ações educativas à luz do seu projeto político pedagógico, o qual reflete uma ideologia educacional, ou seja, uma forma de pensar o mundo, o ser humano e a concepção de ensino e aprendizagem. Portanto, a ação educativa não é neutra, mas revela as escolhas de princípios e valores da instituição escolar manifestados nas suas realizações cotidianas, devendo ser elemento comum de aproximação das expectativas da família e da escola
Esforço comunitário 
A Escola Comunitária de Campinas (ECC) nasceu no ano de 1977 pelo esforço de um grupo de pais e educadores que queriam a continuidade de um projeto pedagógico-educacional numa nova instituição de ensino que fizesse frente a realidade de mudança desafiadora da época. Para criá-la, foi necessário constituir uma sociedade, como suporte administrativo a esse projeto. Surgiu, então, a Sociedade Comunitária de Educação e Cultura, sob a forma de associação, sem fins lucrativos. São sócios todos os pais, professores e funcionários que integram essa sociedade. Assim sendo, o colégio é pautado em relações democráticas e participativas.
Filosofia de educação
A Educação pressupõe que toda pessoa é capaz de construir conhecimento por caminhos diferentes. A ECC oferece possibilidades de interação-construção, por meio do pensamento e da ação, desenvolvendo no aluno as habilidades que compõem competências imprescindíveis, com base na colaboração, respeito e solidariedade. Saiba mais sobre a ECC pelo link http://www.ecc.br/
Período integral
A Escola Comunitária de Campinas (ECC) oferece aos alunos dos Cursos de Educação Infantil e do Fundamental 1, o Período Integral opcional, no contraperíodo das aulas regulares. O espaço, localizado em uma ampla chácara, a 300m da escola, apresenta estrutura diferenciada para o desenvolvimento da criança: ateliê, sala de jogos e leitura, sala de descanso, sala de atividades, sala de estudos, piscina aquecida (coberta e fechada), pequenas quadras, área externa integrada à natureza (bosque), casa na árvore, horta, refeitório e vestiário. As atividades desenvolvidas no espaço objetivam a valorização do brincar, a construção da autonomia e as relações interpessoais, favorecendo o desenvolvimento integral das crianças e são cuidadosamente planejadas por uma equipe multidisciplinar. O almoço e o lanche, servidos no refeitório da Casa, têm cardápio preparado pela nutricionista da instituição. 
Atividades extras
As atividades extracurriculares oferecidas pela Escola Comunitária de Campinas (ECC) proporcionam o desenvolvimento de habilidades esportivas, artísticas, culturais, corporais e científicas, complementando e ampliando a formação curricular. Acontecem de forma opcional, no contraperíodo das aulas regulares curriculares, e permitem que os alunos explorem áreas às quais não têm acesso nas aulas regulares da escola ou em casa. Diretor pedagógico da ECC, Marcos Roberto Marcio afirma que a instituição acredita que essas práticas são importantes para o desenvolvimento global dos estudantes. Por isso, a escola apresenta três eixos nas modalidades extracurriculares: cultura, esportes e tecnologia. São ofertados, entre outros, basquete, artes circenses e programação de games.

Escrito por:

Daniel de Camargo