Publicado 11/06/2019 - 14h45 - Atualizado 11/06/2019 - 14h45

Por AFP


O Supremo Tribunal israelense validou a venda de imóveis da Igreja Ortodoxa Grega para uma organização judaica ultranacionalista na Cidade Velha de Jerusalém, uma parte palestina da Cidade Santa ocupada e anexada por Israel.Segundo um veredito publicado nesta terça-feira pelo tribunal, o apelo do patriarcado greco-ortodoxo, que solicitou a anulação desta venda validada por um tribunal israelense em 2017, foi rejeitado.O caso remonta a 2004, quando três empresas ligadas à Associação Judaica Israelense Ateret Cohanim adquiriram, no âmbito de um contrato de enfisêutica, três edifícios da Igreja Greco-Ortodoxa.Se trata do hotel Petra e do Imperial Hotel na Cidade Velha de Jerusalém, no setor do Portão de Jaffa, no bairro cristão, e de um edifício residencial localizado do outro lado da cidade velha, na zona muçulmana.Esta associação de colonos israelenses tem a vocação de "judaizar" a Cidade Santa, e compra edifícios na cidade velha por anos, usando empresas de fachada que não estão oficialmente ligadas à agência.Com esta aquisição, a Ateret Cohanim será proprietária da maioria dos edifícios localizados entre o Portão de Jaffa, um dos principais acessos à Cidade Velha e ao mercado árabe.Em um comunicado publicado na terça-feira, o arcebispo greco-ortodoxo de Sebaste, na parte norte da Cisjordânia ocupada, Atallah Hana, denunciou uma decisão "ilegal e ilegítima"."A aquisição de propriedades históricas do Portão de Jaffa por organizações extremistas de colonos é uma nova catástrofe que se soma às catástrofes e retrocessos sofridos pela presença cristã nesta Cidade Santa", declarou ele, pedindo ações pacíficas. para anular a decisão.mib/cmr/mdz/es/eg/ap/cc

Escrito por:

AFP