Publicado 10/06/2019 - 19h00 - Atualizado 10/06/2019 - 19h00

Por AFP


Novas manifestações foram convocadas para quarta-feira em Hong Kong em protesto contra um polêmico projeto de lei que permitirá extradições para a China, depois que o governo da região, favorável a Pequim, se recusou a retirar o texto.Um dia após uma gigantesca manifestação na ex-colônia britânica para protestar contra o projeto de lei, a oposição convocou uma nova mobilização."Em 12 de junho, esperamos que a Frente Civil dos Direitos Humanos inicie a manifestação às 10h00 locais (23h00 de Brasília, terça-feira)", afirmou nesta segunda-feira Jimmy Sham, um dos organizadores do movimento.Sham fez o anúncio depois que o governo de Hong Kong se recusou a desistir do polêmico projeto de lei."É uma lei muito importante que permitirá o triunfo da justiça e garantirá que Hong Kong cumpra com suas obrigações internacionais em termos de criminalidade transfronteiriça e transnacional", declarou a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam. Muito combativa diante da imprensa, Carrie Lam, reafirmou que o Conselho Legislativo (LegCo), o "parlamento" local, examinará na quarta-feira, como estava previsto, o projeto de lei.Ao mesmo tempo, o governo chinês destacou que "continuará apoiando de modo veemente" o projeto de lei apresentado pelas autoridades de Hong Kong. "Nos opomos fortemente a qualquer força estrangeira que intervenha nos assuntos legislativos de Hong Kong", disse Geng Shuang, porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China.Shunag fez referência a reuniões da oposição de Hong Kong com o secretário de Estado americano Mike Pompeo e com a presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi.A porta-voz do departamento americano de Estado Morgan Ortagus declarou que "as manifestações pacíficas de milhares de pessoas demonstram claramente a oposição da opinião pública à emenda proposta". "Estamos preocupados de que estas emendas possam prejudicar o clima de negócios em Hong Kong e submeter nossos cidadãos residentes ou que estejam visitando Hong Kong ao caprichoso sistema judicial da China", disse a porta-voz. "A contínua erosão do status de um país e dois sistemas coloca em risco a situação especial de longa data que Hong Kong goza no mundo dos negócios internacionais", destacou a porta-voz. A imprensa oficial chinesa atribuiu a responsabilidade das enormes manifestações organizadas no fim de semana em Hong Kong a interferências estrangeiras e acusou os opositores políticos na ex-colônia britânica de "conivência com o Ocidente".- Grande manifestação -No domingo, mais de um milhão de pessoas saíram às ruas da principal ilha do centro financeiro, segundo os organizadores, enquanto a polícia citou 240.000 pessoas no máximo. Foi o maior protesto no território desde 1989, quando 1,5 milhão de pessoas expressaram apoio aos manifestantes da Praça Tiananmen (Paz Celestial). Na época, Hong Kong ainda estava sob o governo colonial britânico. As imagens aéreas que mostravam as ruas estreitas de Hong Kong lotadas rodaram o mundo. Mas na China continental, o principal telejornal não mencionou o evento e as buscas na rede social Weibo foram censuradas.Os críticos do texto consideram que o projeto das autoridades de Hong Kong pró-Pequim deixará a população à mercê de um sistema judicial chinês opaco e politizado.O Executivo de Hong Kong, no entanto, afirma que a lei vai preencher um vazio jurídico.Lam negou ignorar os manifestantes e afirmou que sua administração já fez importantes concessões para garantir o respeito às liberdades únicas existentes em Hong Kong e que a lei estará dentro dos parâmetros internacionais dos direitos humanos. "Minha equipe e eu não ignoramos as opiniões expressadas sobre esta importante peça de legislação. Escutamos muito atentamente", afirmou a chefe do Executivo de Hong Kong.- Um país, dois sistemas -Segundo os termos do acordo sino-britânico sobre a devolução de Hong Kong a China, a cidade goza de mais liberdades que o restante do Estado asiático em virtude do princípio "Um país, dois sistemas", em tese até 2047.A desconfiança a respeito da China aumentou com o desaparecimento de uma série de personalidades críticas a Pequim, incluindo um grupo de editores dissidentes e um bilionário, que reapareceram detidos no continentejta/jac/cn/me/pb/fp

Escrito por:

AFP