Publicado 08/06/2019 - 14h39 - Atualizado 08/06/2019 - 14h39

Por Carlos Rodrigues

Guarani mantém Eutrópio até terça

Divulgação

Guarani mantém Eutrópio até terça

A derrota para o Atlético-GO — a terceira seguida na Série B — aumentou ainda mais a pressão sobre Vinícius Eutrópio, mas a diretoria bugrina deve sustentar o treinador no cargo por pelo menos mais uma partida. Embora a divisão dentro do clube entre os que são favoráveis e contrários à demissão continue, a ideia é que o técnico comande a equipe na terça-feira, contra o Coritiba e depois, então, haja uma definição se ele segue ou não dirigindo o Bugre durante a pausa para a Copa América.
A decisão se baseia em dois aspectos. O primeiro é que, internamente, a avaliação da atuação em Goiânia foi positiva e que a equipe apresentou evolução, apesar do tropeço. O time teve novidades, criou oportunidades de gol, mas foi derrotado após uma falha individual da defesa. Além disso, o julgamento é de que a demissão não causará um impacto imediato capaz de fazer o time reagir na terça-feira, já que não há tempo hábil pra contratação e registro de um novo treinador.
Ainda que não tenha o emprego assegurado para depois da próxima partida, Eutrópio mostrou confiança na recuperação da equipe. "Tenho certeza que estamos no caminho certo. Não vamos lutar para ser rebaixado de jeito nenhum", afirmou. "Os jogadores têm confiança na própria capacidade, no trabalho e eu tenho confiança nesses jogadores para que possamos sair dessa situação. Tem muito campeonato pela frente. Uma vitória muda todo o panorama não só de pontuação, como de astral".
O Guarani confirmou ontem a chegada do atacante Vítor Feijão, emprestado pelo Ceará até o final do Paulista de 2020. O jogador havia perdido espaço no Vozão, onde disputou apenas nove partidas na temporada e fez dois gols. Feijão é a 9ª contratação para a Série B e se integra ao grupo neste final de semana, mas só poderá fazer sua estreia após a pausa para a Copa América.
Além do atacante, o Bugre deve anunciar nos próximos dias o zagueiro Bruno Silva. Ontem, o defensor obteve na Justiça uma liminar para deixar o Vasco. A alegação é de falta de recolhimento de FGTS desde novembro de 2018.

Escrito por:

Carlos Rodrigues