Publicado 11/06/2019 - 08h06 - Atualizado 11/06/2019 - 08h06

Por Alenita Ramirez

O 9º Distrito Policial, no Jardim Aeroporto, conseguiu ajuda do Conseg do bairro para a pintura da fachada

Matheus Pereira/Especial para a AAN

O 9º Distrito Policial, no Jardim Aeroporto, conseguiu ajuda do Conseg do bairro para a pintura da fachada

As delegacias da região de Campinas ficaram de fora do primeiro pacote de reforma das unidades anunciado pelo governador de São Paulo, João Doria, que começa mês que vem. Ao todo serão reformados 120 prédios, sendo 94 na Capital, 25 na região metropolitana da Grande São Paulo e um no Vale do Paraíba. As obras ocorrerão por meio de parceria com a iniciativa privada. Apesar de fora do pacote, a maioria das delegacias de Campinas já busca por conta própria parcerias no setor privado para melhorar os prédios desde o ano passado.
Em entrevista à Radio CBN, João Doria (PSDB) alegou que priorizou a Capital nesta primeira etapa, por ser “onde estão os maiores problemas” e que as unidades do Interior estão em “razoável estado” ou em “bom estado”, “por força e apoio dos prefeitos”. Porém, o Tribunal de Contas de São Paulo (TCE-SP) apontou diversos problemas durante a vistoria feita em 275 unidades de 225 cidades paulistas. Em Campinas, por exemplo, que conta com duas Seccionais, 13 delegacias e mais cinco especializadas, foram encontrados fios soltos e inúmeros problemas nosprédios. No 13º DP, no bairro Cambuí, o prédio não possuía Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) na validade e tinha problemas no piso e encanamento.
As precariedades não só na estrutura física, como também no deficit de pessoas nas unidades de Campinas também foram citadas em um relatório do juiz corregedor da época, Nelson Augusto Bernardes. O documento foi, inclusive, usado como referência para uma denúncia do Ministério Público (MP), no final do ano passado.
Parceira
Para melhorar o ambiente para os funcionários e para a população, algumas unidades recorreram à parceria. O 9º DP, no Jardim Aeroporto, por exemplo, que é uma das unidades que tinham diversos problemas na estrutura do prédio, conseguiu ajuda do Conselho de Segurança local e fez no ano passado, a pintura externa, adaptação na calçada, além da pintura das faixas de segurança nas proximidades da delegacia. Atualmente está fazendo a pintura interna.
No 11º DP, no Jardim Ipaussurama, uma ação dos funcionários melhorou a fachada da unidade, mas ainda falta cuidar da parte interna e do setor de investigação, que fica nos fundos. Em pelo menos cinco dos 13 DP´s da cidade houve parcerias para melhorar as unidades. “Às vezes temos que tirar dinheiro do nosso bolso para fazer alguma benfeitoria. Isso porque nosso salário é um dos mais baixo do Brasil”, disse um servidor público, cujo nome foi preservado.
Investimento estimado com as reformas é de R$ 480 mi
Para a reforma das delegacias nesta primeira fase, o investimento estimado é de R$ 480 milhões, que serão bancados pelo setor privado. As medidas, segundo Doria, visam aperfeiçoar o atendimento à população e melhorar as condições de trabalho dos policiais. “Gradualmente, o nosso objetivo é estabelecer o padrão Poupatempo de atendimento à população”, disse. Segundo o governo, as unidades foram selecionadas com base em critérios técnicos e operacionais, após três meses de análises realizadas pela Delegacia-Geral de Polícia.
A previsão é que mais unidades de polícia judiciária sejam reformadas a partir do próximo ano, mas sem data específica. Além da reforma das delegacias, Doria frisou que já estão em andamentos outros investimentos na Polícia Civil, como a aquisição de 8,3 mil coletes, de 150 viaturas, de mobiliário para delegacias do interior, 2 mil computadores e de equipamentos de inteligência policial, que somam R$ 16,7 milhões.

Escrito por:

Alenita Ramirez