Publicado 09/06/2019 - 16h10 - Atualizado 09/06/2019 - 16h10

Por Tote Nunes

As obras na barragem de Pedreira estão em andamento e o reservatório deve estar cheio em julho de 2021

Leandro Ferreira/AAN

As obras na barragem de Pedreira estão em andamento e o reservatório deve estar cheio em julho de 2021

O Daee (Departamento de Águas e Energia Elétrica) deverá apresentar agora em julho a primeira etapa do Plano de Segurança da Barragem de Pedreira, no Rio Jaguari. Em nota oficial, o órgão informou que uma resolução da ANA (Agência Nacional de Águas) estabelece que o plano deve ser apresentado antes do primeiro enchimento do reservatório, mas decidiu antecipar os principais pontos do projeto já para o mês que vem como forma de tranquilizar a população, temerosa de que ocorram ali desastres como os registrados nas barragens de rejeitos de minério em Brumadinho e Mariana, em Minas Gerais. De acordo com o cronograma do consórcio responsável pelas obras, o reservatório deve estar cheio em julho de 2021. 
Vereadores e grupos de moradores iniciaram uma campanha na cidade para pressionar o Estado a apresentar o plano antes do início da obra. O movimento levou o prefeito Hamilton Bernardes (PSB) a pedir, em fevereiro, o embargo da obra, o que acabou não acontecendo, já que a liminar foi rejeitada pela justiça.
Esta semana, representantes do Daee estiveram em visita técnica ao local da construção da barragem acompanhados de autoridades e técnicos dos Comitês PCJ, do Consórcio PCJ e da Agência das Bacias PCJ — dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí.
O objetivo, informou o órgão, foi mostrar o andamento da obra e esclarecer sobre a sua segurança, além de apresentar as ações que estão sendo tomadas para mitigar possíveis impactos ambientais.
Presidente do Consórcio PCJ, o prefeito de Nova Odessa Benjamim Bill Vieira de Souza, disse estar seguro quanto ao projeto. "A preocupação com a obra virou entusiasmo", disse ele, após a visita ao canteiro de obras.
"Na verdade, fiquei apaixonado pelo projeto", acrescentou ele. "A população de Pedreira pode acalmar seu coração, porque o reservatório representa vida. Vai estimular o turismo e garantir segurança hídrica para toda a região", aposta.
O prefeito de Piracicaba e presidente dos Comitês PCJ, Barjas Negri, reforça que é preciso ter garantia de água para as próximas décadas. "Temos que suprir as demandas hídricas das Bacias PCJ como um todo em seus diversos usos. Os segmentos que precisam de água para produção têm que olhar para o futuro e enxergar um horizonte positivo. Temos de planejar e empreender para o futuro", afirmou ele.
Mitigações
O Daee garante que estão sendo adotadas "todas as medidas" para a redução de danos ou impactos negativos à fauna, flora e peixes. Uma dessas medidas é a construção de escadas de peixes para a piracema.
Os técnicos disseram ainda que estão realizando ações para afugentar animais, com indicação de trilhas de fugas, além de terem iniciado o plantio de 50 mil mudas nativas em áreas de preservação no entorno do reservatório. Todo o contorno do reservatório a ser formado terá vegetação recomposta em uma faixa de largura 100 metros.
A comitiva das Bacias PCJ também vistoriou instalações, e conheceu o local onde ficará o eixo da barragem, que será composto pelo maciço de terra e pelas estruturas de concreto, com a torre de regularização de descargas de fundo. Toda vegetação está sendo retirada para melhorar a qualidade da água. A profundidade máxima (no eixo) será de 50 metros.
Investimentos são de R$ 740 milhões
Os reservatórios de Pedreira e Amparo vão exigir investimentos no total de R$ 740 milhões e representam uma das últimas possibilidades para reserva de água nas Bacias do PCJ. As estruturas deverão ampliar a capacidade de armazenamento em 85,3 milhões de metros cúbicos, além da capacidade de fornecimento de 17,2 mil litros por segundo.
Em março, o Daee retomou as obras para reforçar o abastecimento na região de Campinas, que deve beneficiar mais de cinco milhões de pessoas em 23 cidades. A água será distribuída por meio de sistema adutor, um conjunto de canais e estações de bombeamento.
Os novos reservatórios também poderão fomentar o Ecoturismo local por meio dos esportes náuticos e pesca. A empresa responsável pela obra estima contratar cerca de 700 trabalhadores, o que gerará renda e contribuirá para a economia da cidade de Pedreira.
A execução foi suspensa temporariamente no mês de fevereiro para que o Departamento esclarecesse à população sobre o atendimento de todos os requisitos e medidas de segurança adotadas. O Daee consultou também a Procuradoria Geral do Estado, que afirmou não haver impedimento legal para retomada dos trabalhos.
Após a crise hídrica ocorrida em 2014, o Governo do Estado priorizou investimentos para atender à demanda crescente por recursos. Neste sentido, as barragens Pedreira e Duas Pontes foram projetadas para intensificar a oferta hídrica, além de aprimorar a operação do Sistema Cantareira, especialmente nas épocas de estiagem. A entrega dos dois reservatórios está prevista para 2021.

Escrito por:

Tote Nunes