Publicado 08/06/2019 - 13h04 - Atualizado 08/06/2019 - 13h04

Por Da Agência Anhanguera

Motoristas da VB param e travam terminais

Divulgação

Motoristas da VB param e travam terminais

A paralisação de parte dos motoristas da empresa VB1 Transportes, que dirigem os ônibus azuis claros, iniciada ontem(07), prossegue neste sábado (08), afetando o transporte público de Campinas. Segundo a Empresa Municipal de Desenvolvimento (Emdec), no início da manhã, os terminais Ouro Verde, Vila União e Vida Nova permaneceram fechados.
Agentes da Mobilidade Urbana realizaram uma ação especial junto à entrada do Terminal Ouro Verde, priorizando a operação dos ônibus em circulação pelos eixos Amoreiras e Santos Dumont. A estação reabriu apenas por volta das 9h. Somente quatro das 28 linhas que fazem parada no local operaram no período da manhã. Funcionaram normalmente os ônibus das linhas 120 e 121, que vão até o Centro, e as linhas 123 e 205, que fazem a conexão entre os terminais Ouro Verde e Campo Grande. Inaugurado em 1988, o Terminal Ouro Verde atende 65 mil usuários do transporte público do município diariamente.
A Emdec reforçou, em nota, que a paralisação dos motoristas da VB 1 é parcial. De acordo com a empresa, a situação é pontual, uma vez que todas as outras empresas e cooperativas do sistema de transporte público coletivo de Campinas continuaram em atividade. A Emdec informou ainda que tomou todas as medidas para minimizar os impactos para a população. "O usuário do transporte conta com o aplicativo Busão na Hora para acompanhar, em tempo real, a chegada do ônibus no ponto", encerrou o texto.
Paralisação 
Anteontem, ocorreram paralisações nos terminais Ouro Verde e Vila União. Durante os atos, dois ônibus chegaram a pegar fogo no Terminal Ouro Verde. Contudo, ninguém ficou ferido ou foi preso. A revolta de parte dos condutores está relacionada a retirada de um abono, acertada entre o Sindicato dos Rodoviários, que representa a categoria e a companhia. O valor deveria ter sido pago na sexta-feira. Na negociação, o valor foi, de acordo com eles, substituído por um vale-alimentação, o que não agradou a todos.
SetCamp repudia protestos
Na sexta-feira, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas (SetCamp) informou, em nota, que repudia o protesto dos motoristas. "É inadmissível que os usuários do transporte urbano em Campinas sejam prejudicados por questões internas que envolvem a disputa de poder no Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região" diz trecho da nota, em referência a briga entre o atual presidente da entidade, Matusalém de Lima, e o vice, Izael Soares de Almeida. O Sindicato dos Rodoviários é alvo de investigação da Polícia Civil, que apura crimes de furto qualificado, organização criminosa e lavagem de dinheiro.
O texto ressalta ainda que na última terça-feira, foi aprovada em duas assembleias, um reajuste de 5% sobre o salário do dia 1 de maio, além do atendimento da reivindicação de transformar o vale-refeição em vale-alimentação e, no caso específico dos motoristas, ficou estabelecido o pagamento de vale-refeição no valor de R$ 400 no dia 15 de todo mês. "O reajuste dos salários, inclusive, superou o índice inflacionário de 4,76% (IPC), ou seja, em um cenário de crise econômica e desemprego, as concessionárias atenderam a reivindicação da categoria", destaca a nota.
O acordo coletivo foi assinado na quarta-feira, entre o SetCamp e o Sindicato dos Rodoviários. Segundo informado pelo SetCamp ainda na sexta-feira, a concessionária VB1 pode iniciar processo de demissão por justa causa contra os motoristas que não retornarem ao trabalho.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera