Publicado 01/05/2019 - 12h17 - Atualizado 01/05/2019 - 12h17

Por Carlos Rodrigues

A exemplo do que aconteceu na estreia da Série B, o zagueiro Bruno Lima será improvisado na lateral-direita no jogo de hoje contra o Oeste

Luciano Claudino/EC

A exemplo do que aconteceu na estreia da Série B, o zagueiro Bruno Lima será improvisado na lateral-direita no jogo de hoje contra o Oeste

O Guarani busca hoje a primeira vitória na Série B do Brasileiro. Depois do tropeço em casa na estreia, o Bugre enfrenta o Oeste, às 16h, na Arena Barueri, querendo colocar fim também ao tabu de mais de dois meses sem comemorar um resultado positivo. Para isso, no entanto, o time terá que superar a fama que acompanha o adversário. É que o Rubrão, principalmente quando se trata de partidas da segunda divisão, se notabilizou como o 'rei dos empates'.
A 'sina' acompanha o Oeste desde 2016. Nas últimas três participações na Série B, além do primeiro jogo da atual edição, a equipe disputou 115 jogos, com impressionantes 54 empates. O recorde foi no ano passado, quando chegou a 19 empates, ou seja, o equivalente a um turno inteiro do Brasileiro. Em 2019, a rotina continuou na estreia, quando o clube sediado em Barueri arrancou a igualdade com o Sport, em Recife, nos acréscimos do segundo tempo.
O Guarani quer fugir dessa regra também para recuperar os bons momentos, afinal não vence desde 23 de fevereiro, quando bateu o São Caetano por 2 a 1. De lá para cá, foram três empates e quatro derrotas. "A vitória é o melhor dos cenários porque começa a confirmar a confiança dos jogadores. Depois teremos 12 dias de trabalho que serão bem aproveitados, mas com vitória o ambiente fica mais leve, feliz e prepara o espírito dos jogadores e da torcida para um grande", diz o técnico Vinícius Eutrópio, lembrando do período que o time terá até o compromisso contra o Vitória, no dia 13.
Depois de fazer elogios ao time mesmo com o empate em casa diante do Figueirense, o treinador bugrino confirmou a intenção de repetir a escalação. Além do curto tempo que teve para preparar o time, o objetivo é melhorar o quanto antes o conjunto. "Talvez o time sinta o efeito de um jogo próximo ao outro, mas vamos tentar dar esse ritmo. O entrosamento é fundamental em esporte coletivo e é isso o que buscamos, aliando a confiança e tudo o que tem pautado nosso trabalho", explica.
Além de repetir aquilo que na visão do comandante a equipe fez de bom, o Guarani buscará também ajustar algumas situações que não funcionaram na estreia. "No segundo tempo tivemos dificuldade na saída de bola e na transição. É um trabalho em conjunto, mas ainda não somos uma equipe, estamos em formação. Conversamos individualmente com os atletas e em campo tentei mostrar alguns erros que precisam ser corrigidos", conclui Eutrópio.
Déficit em 2018 salta para R$ 25,5 milhões
O Guarani publicou ontem em seu site oficial o balanço patrimonial referente a 2018 e o demonstrativo financeiro do último ano apresentou um aumento substancial no prejuízo do clube. O déficit, que foi de pouco mais de R$ 6 milhões em 2017, alcançou as cifras de R$ 25.564.071,15. Enquanto acumulou apenas R$ 16.752.250,03 em receitas, o Bugre viu as despesas saltarem para R$ 42.316.321,18.
A principal diferença está nas despesas tributárias contraídas pelo clube. Em 2017, a soma era de cerca de R$ 23 mil e isso aumentou para mais de R$ 20 milhões. Segundo o atual Conselho de Administração, a responsabilidade é da gestão anterior, comandada por Horley Senna, que teria perdido prazo para apresentar defesa em um processo administrativo. Segundo documentos obtidos pela reportagem, o Guarani foi autuado pela Receita Federal entre 2015 e 2016 em relação a um processo investigativo relativo aos anos de 2011 a 2013 e não apresentou as defesas exigidas, o que fez com que deixasse de ser isento de tributos como IRPJ, PIS e COFINS, entre outros.
Procurado, o ex-presidente Horley Senna admitiu a notificação, mas disse que alguns documentos entre 2011 e 2013 não foram localizados pois a contabilidade estava 'um caos'. Também argumentou que o atual presidente Palmeron Mendes Filho defendeu a gestão bugrina na época.
FICHA TÉCNICA
OESTE
Matheus Cavichioli; Wallace Bonilha, Maracás, Kanu e Alyson; Betinho e Lídio; Roberto, Mazinho e Bruno Lopes; Fábio. Técnico: Renan Freitas.
GUARANI
Giovanni; Bruno Lima, Ferreira, Xandão e Inácio; Deivid e Ricardinho; Mateusinho, Arthur Rezende e Felipe Amorim; Diego Cardoso. Técnico: Vinícius Eutrópio.
Local: Arena Barueri. Horário: 16h (Sportv). Juiz: Elmo Alves Resende Cunha (GO).

Escrito por:

Carlos Rodrigues