Publicado 14/05/2019 - 12h41 - Atualizado 14/05/2019 - 15h37

Por Delma Medeiros

Ana Salvagni e Eduardo Lobo: Show 'Canções do Amor Distante' resgata repertório do disco homônimo da dupla, independente, lançado em 2016

Isabela Senatore/Divulgação

Ana Salvagni e Eduardo Lobo: Show 'Canções do Amor Distante' resgata repertório do disco homônimo da dupla, independente, lançado em 2016

Canções densas e repletas de poesia, que versam sobre o amor ausente em diferentes ritmos, gêneros, épocas e culturas é o que o público pode conferir no show Canção do Amor Distante, da cantora e regente Ana Salvagni e do violonista Eduardo Lobo, nesta terça-feira (14), no Instituto Pavão Cultural, em Barão Geraldo. O show é composto de 12 músicas, com arranjos para voz e violão que constituem uma “saudade cantada”, como definiram os músicos à época do lançamento, em 2016, do álbum homônimo, em que interpretam produções nacionais e internacionais, sempre com foco no amor que está longe.
O projeto Canção do Amor Distante teve início com a interpretação da Canção I, uma inusitada parceria entre a poeta Hilda Hilst e o músico Zeca Baleiro. Baseada em Ode descontínua e remota para flauta e oboé. De Ariana para Dionísio, uma série de poemas da escritora que faz parte do livro Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão (1974) e que traz o canto de Ariana para Dionísio, seu amor ausente. A partir desta ideia, o duo buscou o mesmo sentimento que pode estar presente tanto em um samba de Adoniran Barbosa, como em uma letra de Vinícius de Moraes ou em uma valsa do venezuelano Manuel Yánez.
Com arranjos que valorizam voz e violão, o repertório apresenta importantes compositores brasileiros e internacionais. Ligadas à poesia destacam-se Adeus, Eulina, de Catullo da Paixão Cearense; Chora Coração, de Vinícius de Moraes e Tom Jobim; Contrato de Separação, de Dominguinhos e Anastácia; e a já citada Canção I. O trovador nordestino é evocado em Cantiga de Amigo, de Elomar. O samba canção e a marcha são lembrados em Punhal, de Guinga e Paulo César Pinheiro; e Entrudo, de Carlos Lyra e Ruy Guerra. Destacam-se ainda Morna, de Vinicio Capossela; Apaga o Fogo, Mané, de Adoniran Barbosa; Viajera del Rio, de Manuel Yánez; e Chequerê, de Sinhô.
O show marca a abertura do projeto musical do Instituto Pavão, espaço aberto em Barão Geraldo como galeria de arte, mas com a proposta de apresentar atrações variadas em seu amplo salão. “O Pavão foi concebido como um espaço para as mais diversas artes, mas começamos com as visuais, por serem mais próximas do nosso universo como arquitetos atuantes em expografia. É, portanto, um privilégio recebermos Ana Salvagni e Eduardo Lobo para esse show.
São artistas premiados, com carreiras consolidadas, que vêm mostrar seu trabalho num espaço novo que agora se abre para a música. Apostamos que será um espetáculo lindo, tendo por cenário nosso espaço expositivo, as telas do Sérgio Niculicheff (cuja mostra Etérea Concretude está atualmente em cartaz) e o entusiasmo em começar esta fase com novas propostas e parcerias”, comenta Teresa Mas, responsável, junto com Mario Braga, pela programação do Pavão.
“Vamos levar nossas canções a um espaço lindo, um novo centro de cultura de Campinas, o Pavão Cultural. Para quem ainda não conhece, vale conferir. Além do show, o público pode aproveitar para ver a bela exposição de Sérgio Niculitcheff, Etérea Concretude, em cartaz no espaço”, resume Ana Salvagni.
O álbum
Canção do Amor Distante foi produzido em Campinas e lançado em 2016 pela Tratore, resultado de uma bem sucedida campanha de financiamento coletivo. O álbum teve direção musical de Eduardo Lobo, produção de Ana Salvagni e a participação dos músicos Matteo Ricciadi (clarinete), Chico Santana (percussão), Paulo Freire (viola), Fernanda Vieira (marimba), Carlinhos Antunes (cuatro venezuelano) e Thibault Delor (contrabaixo). O conteúdo está disponível nas plataformas digitais Spotify, Deezer, iTunes e similares.
Sobre os músicos
Graduada em Regência pela Unicamp em 1994, Ana Salvagni atua como cantora e regente de corais, além de poeta – lançou dois livros de poesias, Janela sem Tranca (2006) e Fotos do Espelho (2013). Iniciou sua carreira no ano da formatura, integrando o Trio Bem Temperado, ao lado de José Eduardo Gramani e Patrícia Gatti, grupo com o qual participou do CD Trilhas. Em 1998 passou a atuar no duo Viola e Voz com o violeiro Paulo Freire. Tem quatro CDs gravados: Ana Salvagni (1999), Avarandado (2005), Alma Cabocla (2009); e Canção do Amor Distante (2016). O terceiro CD, Alma Cabocla é fruto de uma pesquisa sobre o compositor Hekel Tavares, selecionado pelo programa Petrobrás e posteriormente premiado como Melhor Álbum Regional na 21ª Edição do Prêmio de Música Brasileira (2010).
Violonista, guitarrista, compositor, arranjador e doutor em música pela Unicamp em 2018, Eduardo Lobo mescla as vivências artística, acadêmica e docente. Integra o Quatro a Zero, um dos grupos vencedores do 7º Prêmio VISA (em 2004), com o qual tem cinco discos lançados, duas turnês europeias, uma passagem pelo Guimarães Jazz Festival e turnês nacionais ao lado do bandolinista Joel Nascimento. Participou do grupo de música instrumental Ideia de Antes, com o qual lançou um disco homônimo em 2014 e tocou no Brasil e Uruguai. Desde 2011 faz dueto com o pianista e pesquisador Rafael dos Santos, com quem lançou o disco Viajante (2016).
Pavão inicia o Fim de Tarde com Música
Como parte de sua agenda de shows, o Instituto Pavão Cultural inicia, no próximo dia 23 de maio, o projeto Fim de Tarde com Música, a ser realizado sempre às quintas-feiras no final da tarde. A ideia é ampliar a oferta de atrações no espaço. A primeira apresentação é do duo Curumim, formado por Lucas Madi e Giorgio Francisco, com o show Nascente, a partir das 19h, após uma conversa aberta com o artista em exposição, Sérgio Niculitcheff.
O Curumim reinterpreta músicas dos mineiros do Clube da Esquina. Os ingressos são na linha “no chapéu”. “Essa é uma tradição do teatro e do circo, mas não se trata de uma ‘ajuda’ ou gratificação, e sim do pagamento consciente e responsável em respeito ao trabalho dos artistas. Estipulamos um valor mínimo de R$ 10,00 por pessoa e esperamos que quem goste do show e possa pagar mais, o faça”, destaca Teresa Mas.
A programação completa do Pavão pode ser consultada nas redes sociais: @pavaocultural, no Facebook e Instagram. Para agendar visitas guiadas, o contato é com Paula Monterrey (99118.0337), no educativo@pavaocultural.org.
AGENDE-SE
O quê: Ana Salvagni e Eduardo Lobo no show Canção do Amor Distante
Quando: nesta terça-feira (14), às 20h30
Onde: Instituto Pavão Cultural (Rua Maria Tereza Dias da Silva, 708, Cidade Universitária, Barão Geraldo, fone: 3397-0040)
Quanto: R$ 30,00

Escrito por:

Delma Medeiros