Publicado 17/05/2019 - 09h23 - Atualizado 17/05/2019 - 09h58

Por Henrique Hein

Devisa confirma que contaminação partiu da cantina

Divulgação

Devisa confirma que contaminação partiu da cantina

O Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) da Prefeitura de Campinas confirmou ontem que os alimentos servidos na cantina do Colégio Notre Dame foram responsáveis por causar o surto de toxoplasmose que atingiu 25 pessoas no começo do mês passado. A infecção é causada por um protozoário chamado “Toxoplasma Gondii”, encontrado nas fezes de gatos e outros felinos, que pode se hospedar em humanos. A toxoplasmose é causada pela ingestão de água ou alimentos contaminados e é uma das zoonoses mais comuns em todo o mundo. As frutas e verduras mal lavadas, as carnes e derivados crus ou mal cozidos são as principais fontes de risco.
No último dia 24 de abril, o Devisa interditou a cantina terceirizada da escola por tempo indeterminado, depois de verificar que o espaço estaria exposto à entrada de gatos. Segundo a diretora do departamento Andrea Von Zuben, toda a lanchonete e a área de manipulação de alimentos do colégio são abertas.
“A análise das informações epidemiológicas disponíveis, coletadas a partir de questionários respondidos pelos pais dos alunos, apontou que a via de transmissão mais provável de toxoplasmose no colégio possivelmente se relacionou à ingestão de alimentos contaminados por oocistos, que são as partículas infectantes eliminadas a partir das fezes de felinos infectados no restaurante.”
Para entender as causas do problema, o órgão de saúde enviou, em abril, médicos infectologistas, veterinários, enfermeiras, biólogos e técnicos em vigilância para reuniões diárias com a direção pedagógica do colégio. A investigação das vias de transmissão do protozoário foram feitas com a análise dos alimentos e água.
“Entre as adequações feitas estão as vedações na área de manipulação, apresentação de procedimentos operacionais padrão, capacitação dos funcionários, dentre outras normas de boas práticas de manipulação importantes para prevenir riscos à saúde dos consumidores”, disse Andrea.
Em comunicado enviado aos pais, a diretoria do Notre Dame informou que adotou medidas para evitar a contaminação. Entre as ações, destaca-se a contratação de uma profissional em segurança alimentar para atuar com os profissionais da cantina e dos restaurantes. A escola informou que faz o manejo dos gatos que habitam o local — captura, castração e vacinação e que os animais estão sendo disponibilizados para adoção. As galerias subterrâneas também foram fechadas.

Escrito por:

Henrique Hein

×