Publicado 16/05/2019 - 08h33 - Atualizado 16/05/2019 - 08h33

Por Adriana Giachinni

Recipiente de e-lixo em posto de combustíveis: aparelho celular, TV, pilhas, fones de ouvido e similares

Divulgação

Recipiente de e-lixo em posto de combustíveis: aparelho celular, TV, pilhas, fones de ouvido e similares

Você provavelmente tem consciência da necessidade de um descarte apropriado do chamado lixo eletrônico, mas responda sinceramente: na prática, isso é uma realidade na sua rotina? Infelizmente, no Brasil a estimativa do setor é que apenas 3% desse material — composto por aparelhos de celulares, televisores e similares, além de itens como pilhas e fones de ouvidos — seja coletado de forma adequada após o fim de sua vida útil. 
A boa notícia para moradores de Campinas e cidades da região é que desde março ficou fácil fazer a sua parte quando o tema é conscientização ambiental e e-lixo. O programa “Ecotroca+Descarte Eletrônicos” do Recap, o Sindicato dos Postos de Combustíveis, recebe o conteúdo, através de pontos de coletas instalados em postos de combustíveis. Só em Campinas são 110 postos participantes. Esse número chega a 600 considerando os 90 municípios abrangidos pelo programa. A expectativa é arrecadar três toneladas de equipamentos por mês.
A ação, segundo o presidente do Recap, Flávio Campos, concentra-se em dois pilares: sustentabilidade e comodidade à população. “Temos a consciência da importância do descarte correto, porém nem sempre sabemos o que ou como fazer — e acabamos guardando tudo em casa. Pensando nisso, resolvemos aproveitar nossa logística para ajudar, uma vez que o acesso aos pontos de coletas fica mais fácil”, diz Campos.
Para ele, o programa busca educar e disseminar a cultura de conscientização ambiental, especialmente nos dias atuais, onde a tecnologia se torna cada vez mais imprescindível. “Os problemas ambientais causados pela alta demanda desde a revolução da informática não são novidade. E estamos em um cenário em que faltam políticas públicas eficientes, além da conscientização da população do impacto que o descarte irregular tem. Os metais pesados e plásticos são muito danosos à saúde e sobrecarregam os aterros sanitários dos municípios, com grande prejuízo ambiental. Por isso, resolvemos entrar nessa causa e contribuir com as cidades.”
Parceiro
Funcionários da Ambipar separam peças de e-lixo: parceiro recolhe o material nos postos e dá a destinação
O descarte de lixo eletrônico dá continuidade a um outro projeto de logística reversa do Recap: o Ecotroca Resíduos Jogue Limpo, instituído em 2010 para coleta e destinação correta do material gerado durante a troca de óleo dos veículos, em especial as embalagens plásticas e filtros.
Com o slogan “Faz bem pro seu carro e pra natureza”, o programa surgiu inicialmente para auxiliar nas pesquisas de produção de madeira plástica, em parceria com universidades. Atualmente, esse resíduo é transformado em material para a construção civil, como conduítes.
A Ambipar é a empresa responsável por fazer o recolhimento do material nos postos e levá-lo a destinação adequada. “A parceria com o Recap no programa Jogue Limpo deu tão certo que decidimos ampliar sua extensão, aproveitando nossa capacidade de operação na logística reversa também nos produtos eletrônicos”, diz Fernando Begliomini, gerente da Unidade de Nova Odessa, responsável pela coleta na região de Campinas.
O desafio é que agora o foco não está mais nos trabalhadores dos postos e sim no cliente, no consumidor que é aquele motorista que tem no carro um cabo de USB, um fone de ouvido, pilhas, baterias e um antigo celular quebrado. “As pessoas sabem que não podem jogar isso em qualquer lugar, mas ainda sentem dificuldade em encontrar postos de coletas. Com certeza, ter a opção de entregar em um posto perto da sua casa ou no caminho do trabalho, vai ajudar muito”, diz Begliomini.
O grupo Ambipar é um conjunto de empresas focadas na preservação do meio ambiente, especializado em soluções ambientais. De acordo com Begliomini, é possível reduzir em até 20% a extração de recursos naturais através da manufatura reversa do lixo eletrônico. “É um número muito expressivo, estamos falando de um trabalho que pensa nas gerações futuras”, destaca.
COMO FUNCIONA
Qual o futuro do lixo eletrônico após o descarte? Fernando Begliomini, da Ambipar, responde: “Nossa logística retira e leva tudo para a base, onde realiza manufatura reversa, baseada no conceito de economia circular. Ou seja, desmontamos o produto, segregamos e colocamos tudo separado por tipo. Vamos citar como exemplo o plástico. Ele é separado dos outros elementos, triturado e transformado novamente em plástico virgem, sendo reintroduzido na última ponta da cadeia de subprodutos”.
Segundo o representante da Ambipar, a parceria com o Recap é fundamental para que o Brasil se conscientize cada vez mais da importância da destinação correta do lixo eletrônico, rico em substâncias altamente poluentes como mercúrio, arsênio, zinco e chumbo, entre outros que, quando descartados de forma incorreta, podem contaminar o solo e os lençóis freáticos. “Mesmo sabendo disso, o descarte correto ainda é muito pequeno, especialmente diante do grande volume de lixo produzido anualmente no País. Também acho que a política de resíduos sólidos é recente e ainda ela está criando nos fabricantes a obrigação de fomentar a prática”, acredita.
SAIBA MAIS
A Lei nº 12.305/10, que regulamenta a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), institui a responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos: dos fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, o cidadão e titulares de serviços de manejo dos resíduos sólidos urbanos na Logística Reversa dos resíduos e embalagens pós-consumo e pós-consumo. O objetivo é construir programas para a eliminação do descarte irregular.
ONDE DESCARTAR
A lista completa dos postos participantes está disponível no site do Recap.
Confira: http://www.recap.org.br

Escrito por:

Adriana Giachinni