Publicado 10/05/2019 - 08h56 - Atualizado 10/05/2019 - 08h57

Por Henrique Hein

Ao lado do companheiro Adriano, Rosália se casou ontem na capela da Casa de Repouso Bom Pastor, no distrito de Barão Geraldo

Denny Cesare/AAN

Ao lado do companheiro Adriano, Rosália se casou ontem na capela da Casa de Repouso Bom Pastor, no distrito de Barão Geraldo

Rosália Macedo da Silva, de 38 anos, assim como muitas mulheres brasileiras, sempre manteve vivo o sonho de conhecer o amor de sua vida e se casar em uma igreja. No entanto, a falta de condições financeiras dela e de seu marido — o casal está junto há 19 anos —, impediu que o desejo fosse concretizado.
Para piorar, no ano passado o sonho de Rosália ficou ainda mais distante quando um diagnóstico apontou que ela estava com câncer na coluna vertebral em fase terminal. Sensibilizada com a história, uma rede de voluntários decidiu se organizar para bancar a cerimônia tão sonhada por Rosália.
O grupo foi atrás de ajuda e rapidamente encontrou o auxílio colaborativo de fotógrafos, cinegrafistas e profissionais que pudessem oferecer serviços como o bolo de casamento, a decoração do espaço, o vestido e o cabelo da noiva; e que também pudesse oferecer a aliança oficial do casório.
Apesar da correria, tudo ocorreu como planejado e o casal, que vive em Hortolândia e tem dois filhos, se casou ontem na capela da Casa de Repouso Bom Pastor, no distrito de Barão Geraldo, em Campinas, cercado de tudo que um bom casamento merece. “Eu vou morrer, mas vou para o céu me sentindo a pessoa mais feliz do mundo”, disse Rosália.
Além da ajuda para que a cerimônia de casamento acontecesse, os voluntários também conseguiram uma cama especial para a noiva, além de terapia gratuita para toda a família. Eles também estão tentando garantir a isenção do IPTU do imóvel onde a família vive junto à Prefeitura de Hortolândia. Atualmente, a família vive do benefício que Rosália recebe e da ajuda de ONGs do município.
Por isso, o grupo de voluntários também criou uma vaquinha on-line para ajudar Rosália a bancar seu tratamento e garantir a ela mais qualidade de vida. Quem quiser ajudar pode fazer a doação pelo site: http://www.vakinha.com.br/vaquinha/tratamento-rosalia-macedo-da-silva.
Erro médico
Apesar de muito jovem, os problemas de Rosália com sua coluna começaram há pelo menos oito anos e se complicaram muito com decorrer do tempo, depois que um médico deu a ela um diagnóstico errado da doença, alegando que, em vez de câncer, ela tinha “apenas” uma hérnia de disco na coluna. Preocupada, Rosália decidiu então dar início aos tratamentos necessários para tentar curar um problema que, na verdade, ela nunca teve.
Com o tempo, as complicações e as dores foram ficando ainda mais intensas, até o dia em que ela foi encaminhada ao Hospital das Clínicas (HC) da Unicamp, onde descobriu a existência do tumor incurável na coluna vertebral. Adriano, companheiro de Rosália, parou de trabalhar para cuidar de sua mulher, que, àquela altura, já tinha perdido os movimentos das pernas.

Escrito por:

Henrique Hein