Publicado 05/05/2019 - 09h47 - Atualizado 05/05/2019 - 09h49

Por Henrique Hein/AAN

Sem riscos: ao contrário do que muitos dizem, a vacina não provoca gripe porque não tem o vírus vivo

Matheus Pereira/Especial para a AAN

Sem riscos: ao contrário do que muitos dizem, a vacina não provoca gripe porque não tem o vírus vivo

A Prefeitura de Campinas promoveu ontem o Dia D de mobilização da campanha de vacinação contra a Gripe. Ao todo, 18.161 doses foram aplicadas durante a manhã e a tarde.
Desde o início da campanha, que começou no dia 10 de abril, 116.299 pessoas já tomaram a vacina na cidade, o equivalente a 42,65% do público-alvo definido pela administração. Os dados já incluem a atualização das imunizações realizadas ontem.
De acordo com a Secretaria de Saúde, a vacina seguirá disponível em todos os centros de saúde do município até o próximo dia 31 de maio, data do encerramento da campanha de imunização nacional.
A meta é vacinar 272.758 pessoas classificadas como público-alvo no município. É o caso das pessoas com 60 anos ou mais, crianças com entre seis meses e menos de seis anos, trabalhadores da área da saúde, professores das redes pública e privada, indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após parto), presos e funcionários do sistema prisional.
Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais também precisam tomar a vacina. Segundo a Prefeitura, é de importante que as pessoas que fazem parte dos grupos prioritários tomem a vacina o quanto antes para que seja iniciada a produção de anticorpos.
A vacina, que protege contra as gripes A (H1N1 e H3N2) e B, é formada por vírus inativados, fragmentada e purificados. Ela não contém vírus vivos e, portanto, não causa a doença.
Para receber a dose, as pessoas precisam apenas comparecer um dos posto de saúde do município portando um documento de identidade com foto e, se tiver, a carteira de vacinação.
Mesmo quem já tomou a vacina em anos anteriores deve se vacinar, já que a composição muda anualmente para proteger contra os subtipos do vírus da gripe que mais circulam.
Vacinados
A bibliotecária Fabiana Andrade, de 42 anos, levou as duas filhas, Júlia e Mariana, de 10 e 14 anos, ao posto volante instalado em um imóvel da Rua Santos Dumont, na esquina com a Maria Monteiro, no Cambuí.
“Eu trago as duas para se vacinarem comigo desde que a Júlia nasceu. A gente sabe que é uma medida importante e que todo cuidado com a saúde é pouco”, disse.
As aposentadas Dagmar Piovesani e Leonilda Carmargo, ambas de 77 anos, também procuraram o posto do Cambuí para se vacinar contra a gripe e elogiaram o atendimento.
“Eu me vacino todos os anos. O atendimento foi muito bom e rapidinho, levou menos de dois minutos”, contou Dagmar. E para Leonilda, a picada da vacina “não doeu nada”.

Escrito por:

Henrique Hein/AAN