Publicado 05/05/2019 - 09h36 - Atualizado 05/05/2019 - 09h38

Por Francisco Lima Neto/AAN

As obras do Instituto Federal foram oficialmente entregues na última quinta-feira, com solenidade

Denny Cesare/AAN

As obras do Instituto Federal foram oficialmente entregues na última quinta-feira, com solenidade

A nova unidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) em Campinas, na região do Campo Grande, foi oficialmente concluída na última quinta-feira pela Construtora Ubiratan. Uma entrega provisória havia sido realizada no dia 21 de fevereiro de 2019, quando foram apontadas necessidades de adequações da infraestrutura e a empresa utilizou o prazo de até 90 dias para conclusão dos trabalhos. No entanto, a obra, que teve custo de R$ 16,4 milhões, pode se tornar um elefante branco na cidade, já que não há previsão de quando ela deve começar a ser utilizada por alunos e professores, que hoje estão em um espaço cedido dentro do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI).
Durante a entrega definitiva, os representantes do IFSP realizaram vistoria técnica nas instalações, que são dispostas em dois prédios, de 2 e 3 pavimentos, elevadores, salas de aulas, laboratórios de informática, ciências, redes, eletrotécnica e eletrônica, salas de reunião, salas administrativas, auditório e refeitório. Segundo o IFSP, a construtora se comprometeu a doar ao Instituto a construção de um telhado laboratório fotovoltaico na unidade, que deverá ficar pronto nos próximos dias.
"A Direção-geral do campus Campinas tem empenhado esforços na realização de tratativas para captação de recursos para equipar as instalações, possibilitando o início das atividades educacionais", traz publicação no site do instituto.
A construção fica em uma área de sete mil metros quadrados, no Jardim Satélite Íris, e conta com 10 salas de aulas e 17 laboratórios. Conforme o Correio Popular publicou no dia 16 de fevereiro deste ano, mesmo com o prédio pronto, ainda não há nenhuma previsão de quando ele poderá ser usado pelos cerca de mil alunos, que desde 2013 ocupam o espaço cedido dentro do CTI. “Além de aguardar a entrega da obra, estamos na dependência de contratação de servidores, professores e administrativos. Dessa maneira, ainda não temos data precisa”, afirmou a assessoria de imprensa à época, alegando que os cargos precisam ser preenchidos por concurso público.
O órgão confirmou que, mesmo quando se mudar para a sede própria, pretende manter no CTI os cursos de Tecnologia em Análise de Desenvolvimento de Sistemas, Tecnologia em Eletrônica Industrial e Especialização em Microeletrônica. No ano passado, o custo mensal do campus Campinas dentro do CTI foi de R$ 55 mil. Valor que deve quase dobrar no novo prédio. O Correio procurou o IFSP para mais detalhes e novo prazo para funcionamento, mas a assessoria informou que não teria como responder aos questionamentos na última sexta-feira.

Escrito por:

Francisco Lima Neto/AAN