Publicado 04/05/2019 - 01h00 - Atualizado 03/05/2019 - 18h43

Por Carlo Carcani Filho


A Ponte Preta sofreu um gol aos 48’ do 2º tempo, cedeu o empate ao Criciúma e fechou a segunda rodada da Série B com apenas um ponto. A largada, igual à do Guarani, é decepcionante. A derrota na estreia pode ser considerada normal, por ter sido fora de casa, contra um adversário forte e em condições especiais que levaram mais de 30 mil torcedores do Coritiba ao Couto Pereira.
Mas o empate no Majestoso contra o Criciúma foi um desastre. O time catarinense vinha de derrota em seu estádio para o Cuiabá e, tudo indica, não vai brigar pelas primeiras posições.
A Ponte saiu na frente ainda no 1º tempo e tinha tudo para garantir sua primeira vitória. Não soube, porém, administrar o cenário favorável.
Notem que na rodada de abertura o Coritiba saiu na frente e continuou procurando o gol. Fez 2 a 0 e seguiu dando trabalho a Ivan. Mandou bola na trave, pressionou e esteve perto de marcar o terceiro. Nem mesmo quando a Macaca melhorou o Coxa se retraiu. A Ponte teve postura diferente na quinta. Deixou de agredir, recuou e chamou o Criciúma para o seu campo.
Os catarinenses não tiveram qualidade para criar chances claras, mas ganharam do adversário a oportunidade de frequentar o campo de ataque com certa frequência. O Criciúma lutou até o fim e, adivinhem só, chegou ao gol em lance de bola parada. É a chamada “caçapa cantada”.
O castigo foi tão doloroso quanto merecido. Na coluna de ontem escrevi que existem vários sinais de que o Guarani pode ter problemas com rebaixamento no final do ano. No caso da Ponte, por ter um elenco com pouco mais de qualidade, acho que o Z4 não será uma preocupação.
Mas, ao contrário do Guarani, que passou um bom tempo na Série C antes de chegar à B, a Macaca passou um bom tempo na Série A antes de retornar à segunda divisão. Seu objetivo, declarado e assumido pela diretoria, é conquistar o acesso. E no ano passado a Série A escapou porque um time teve um aproveitamento ridículo como mandante.
Quem quer subir não pode se dar por satisfeito quando faz 1 a 0 em casa. Não vejo a Ponte como uma das melhores equipes do campeonato, mas acho possível que, com um pouco mais de empenho, possa entrar na briga.
Mas nesse quesito tanto os jogadores como Jorginho estão devendo. A Ponte Preta foi, de forma inaceitável, fria no segundo jogo contra a Aparecidense. E foi fria também contra o Criciúma. Para ter alguma chance de subir, será necessário que a Macaca dê mais do que se espera dela. No momento, está dando menos. Sem gana, sem acesso.

Escrito por:

Carlo Carcani Filho