Publicado 30/04/2019 - 18h28 - Atualizado 30/04/2019 - 18h33

Por Estadão Conteudo

O crescimento das enormes quantias desembolsadas para a organização de uma Olimpíada é um fato recorrente na história da competição

AFP

O crescimento das enormes quantias desembolsadas para a organização de uma Olimpíada é um fato recorrente na história da competição

 O orçamento dos Jogos Olímpicos de Los Angeles-2028 foi revisado e subiu para US$ 6,88 bilhões (cerca de R$ 26,8 bilhões). Este número, oficialmente confirmado pelo comitê organizador do grande evento nesta terça-feira, representa um aumento de US$ 1,36 bilhão (algo em torno de R$ 5,7 bilhões) em relação ao custo orçado anteriormente e que foi ajustado principalmente com base em medidas contábeis projetadas para melhor refletir a inflação prevista ao longo deste período de nove anos até a Olimpíada que ocorrerá na cidade norte-americana

Os números chave entre os custos para realização dos Jogos são, em sua maior parte, essencialmente os mesmos que foram apresentados ao Comitê Olímpico Internacional (COI) nos documentos originais da candidatura de Los Angeles, em 2016, mas agora foram alterados para refletir o real valor que os dólares terão quando forem recebidos ou gastos pela organização. E isso só poderá ser constatado de forma mais precisa a partir da segunda metade da próxima década, na reta final de preparação para o evento.

O novo orçamento revelado pelos organizadores confirmou um aumento do custo total da infraestrutura da sede da Olimpíada de US$ 1,19 bilhão para US$ 1,46 bilhão (cerca de R$ 6,4 bilhões) e a elevação do valor de um fundo de contingência, arcado pela prefeitura de Los Angeles e pelo Estado da Califórnia, de US$ 487 milhões para US$ 615 milhões (aproximadamente R$ 2,7 bilhões).

O crescimento das enormes quantias desembolsadas para a organização de uma Olimpíada é um fato recorrente na história da competição. Os Jogos de Tóquio-2020, por exemplo, foram orçados em US$ 7,3 bilhões, mas a expectativa é a de que este valor chegue a US$ 12,6 bilhões (algo em torno de R$ 48,5 bilhões, pela cotação atual).

Inicialmente, Los Angeles projetou um orçamento de US$ 5,3 bilhões (cerca de R$ 20,9 bilhões) para uma candidatura que inicialmente visava abrigar a Olimpíada de 2024, que acabou tendo Paris definida como sede. Mas, em uma decisão inédita na história das eleições olímpicas, o COI anunciou ao mesmo tempo a capital francesa e a cidade norte-americana como respectivos palcos seguintes aos Jogos que ocorrerão em Tóquio-2020.

Isso ocorreu após um acordo entre norte-americanos e franceses, que assim não correriam o risco de amargar uma derrota na disputa para abrigar uma única edição da Olimpíada. E este acordo previa que Los Angeles revelaria uma revisão do seu orçamento, recalculado em um planejamento que visava 2024 e mudou para 2028, no primeiro trimestre deste ano.

O orçamento reformulado dos Jogos Olímpicos que ocorrerão daqui a nove anos teve um aumento de 3%, sendo que US$ 160 milhões (aproximadamente R$ 631 milhões) deste valor extra desembolsado será voltado a investimentos em esportes para a juventude em toda a cidade de Los Angeles. E o restante da quantia destinada servirá para manter o comitê organizador funcionando durante uma vida útil quatro anos maior do que a inicialmente prevista na candidatura que visava receber os Jogos de 2024.

Dispondo de uma grande diversidade de instalações esportivas de ponta há bastante tempo e anteriormente sede dos Jogos de 1984, Los Angeles planeja receber a Olimpíada de 2028 sem construir estádios ou ginásios e pretender usar a infraestrutura já implementada ou planejada para o evento.

Parte do novo orçamento dos Jogos de Los Angeles também inclui em suas contas uma receita extra de US$ 200 milhões (cerca de R$ 788 milhões), projetada com uma estimativa do que poderá ser pago pelos patrocinadores de ponta do COI. Esta quantia faria a quantia atingida por meio destes apoiadores da entidade subir para US$ 437 milhões (cerca de R$ 1,7 bilhão).

Escrito por:

Estadão Conteudo